Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Temer pede saída da crise na Venezuela, enquanto Cuba defende Lula no Peru

media O presidente brasileiro Michel Temer durante a Cúpula das Américas, em Lima. REUTERS/Ivan Alvarado

O presidente brasileiro Michel Temer pediu neste sábado (14), durante a Cúpula das Américas, em Lima, uma solução democrática à situação na Venezuela. Logo depois o chefe de Estado presenciou o discurso do chanceler cubano, que criticou a prisão de Lula.

Temer pediu uma saída da crise venezuelana com o apoio do Grupo de Lima. Segundo o presidente brasileiro, é preciso falar da situação política, econômica e humanitária vivida na Venezuela, já que o Brasil vem sendo buscado pelos moradores do país vizinho como uma alternativa para condições de uma vida digna.

Estima-se que 5% da população da Venezuela tenha deixado o país nos últimos dois anos devido à crise na nação governada por Nicolás Maduro. Milhares desses migrantes chegaram ao Brasil, que compartilha uma parte de sua fronteira com a Venezuela.

A crise venezuelana também foi abordada durante o discurso do representante de Cuba na Cúpula das Américas. Mas, ao contrário de Temer, o chanceler cubano Bruno Rodríguez defendeu abertamente Caracas e criticou a ausência da Venezuela da reunião. "A exclusão do presidente Nicolás Maduro desta cúpula é uma afronta a todos os povos de nossa América e um retrocesso histórico imposto pelo atual governo dos Estados Unidos", afirmou o chefe da diplomacia cubana, que representa o presidente Raúl Castro.

Rodríguez foi um dos poucos a elogiar as polêmicas eleições venezuelanas, nas quais Maduro tenta a reeleição. "Desejamos sucesso na próxima eleição presidencial na Venezuela", concluiu Rodríguez.

“Luta contra corrupção virou arma política contra Lula”

O cubano também defendeu o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva. O chanceler pediu que o petista, detido desde a semana passada, seja solto. "Impedem que os eleitores votem por candidatos com forte apoio popular, como é o caso do presidente preso político Luiz Inácio Lula da Silva, cuja liberdade pedimos", declarou. O presidente brasileiro Michel Temer estava entre os presentes, assistindo o discurso do chefe da diplomacia cubana.

Rodríguez denunciou que a luta contra a corrupção, tema central desta Cúpula, se tornou "uma arma política", que foi usada contra Lula no Brasil. "Os procuradores e juízes agem como partidos políticos", declarou.

Ataque ocidental na Síria monopoliza os debates

Além da crise venezuelana, o temor de uma escalada militar no Oriente Médio após os ataques seletivos dos Estados Unidos, França e Reino Unido na Síria monopolizou a atenção da Cúpula das Américas. A maior parte dos governantes da região manifestou a sua preocupação pelo uso de armas químicas e alertou para o risco de uma escalada no Oriente Médio, após o bombardeio ordenado na sexta-feira (13) à noite pelo presidente americano, Donald Trump, contra alvos específicos do regime de Bashar al-Assad na Síria.

"O presidente (Donald) Trump deixou claro que os Estados Unidos não tolerarão o uso de armas químicas contra homens, mulheres e crianças", disse o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, em suas primeiras declarações públicas em Lima sobre o ataque coordenado com Paris e Londres na Síria.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.