Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/10 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Em Madri, Dilma pede solidariedade internacional para Lula

media Ao lado da ex-presidente Dilma Rousseff, Lula acena para a multidão em discurso realizado neste sábado (7), em São Bernardo do Campo. REUTERS/Leonardo Benassatto

A ex-presidente do Brasil Dilma Rousseff fez um apelo por apoio a seu antecessor Luiz Inácio Lula da Silva, nesta terça-feira (11), na capital espanhola. "Precisamos da solidariedade internacional", afirmou, em uma palestra na Casa América de Madri.

Segundo ela, "a democracia no Brasil está em risco por causa do golpe parlamentar" que levou ao seu impeachment e que colocou seu vice-presidente, Michel Temer, no poder. Dilma insistiu que o ex-presidente continua sendo o candidato do PT nas eleições presidenciais de outubro.

"Nós não temos um plano B. Nós mantemos a candidatura de Lula", enfatizou Dilma. "O PT vai lutar em todas as instâncias jurídicas para que Lula seja candidato", explicou.

Alteração de lei

A ex-presidente afirmou ainda que o Brasil vive uma situação de grande impasse, que "fortalece a posição de Lula". O PT deposita parte de suas esperanças nesta quarta-feira (11), quando o Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil talvez debata uma alteração da lei de condenação de segunda instância, que poderá favorecer Lula. Em jogo estará a decisão de determinar se um condenado pode ser liberado no caso de ter outros recursos possíveis.

Uma manifestação de apoio a Lula foi realizada no último domingo, em Paris.

Lula, 72 anos, continua favorito nas pesquisas de opinião, com uma clara vantagem sobre Jair Bolsonaro, deputado da extrema direita.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.