Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/09 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Grupo norueguês pode ter contaminado água de Barcarena, no Pará

media Área interditada de resíduo de bauxita da Alunorte, propriedade do grupo norueguês Norsk Hydro ASA, em Barcarena, Pará. REUTERS/Ricardo Moraes

O grupo norueguês Norsk Hydro reconheceu nesta segunda-feira (19) que sua fábrica brasileira de alumínio Hydro Alunorte, a maior do mundo, verteu água não tratada no rio Pará. Isso pode ter contaminado a água da cidade de Barcarena com resíduos de bauxita.

"Vertemos água de chuva e de superfície não tratada no rio Pará", afirmou o CEO da empresa, Svein Richard Brandtzaeg, em um comunicado. "É totalmente inaceitável e rompe com o que a Hydro representa. Em nome da empresa me desculpo pessoalmente com as comunidades, as autoridades e a sociedade", completou.

As autoridades brasileiras suspeitam de que a empresa tenha contaminado a água no município de Barcarena, onde se encontra a fábrica, com resíduos de bauxita que teriam transbordado do depósito da fábrica após as fortes chuvas de 16 e 17 de fevereiro.

O grupo norueguês recebeu duas multas de R$ 10 milhões cada, totalizando R$ 20 milhões, a primeira por "atividades potencialmente contaminantes sem licença ambiental válida", e a segunda, por "operar uma tubulação de drenagem também sem licença". Um juiz do estado do Pará também obrigou a empresa a reduzir em 50% a produção de sua fábrica de alumínio.

Lama perigosa

De acordo com o Instituto Evandro Chagas, a "lama vermelha" registrada após as chuvas pode representar riscos para pescadores e outras comunidades próximas à fábrica, com níveis elevados de alumínio e metais tóxicos na água.

De acordo com a empresa, o vazamento não está relacionado com as tempestades de fevereiro. "Toda a água da chuva e de superfície da refinaria da Alunorte deveria ter sido levada para o sistema de tratamento de água", afirmou o grupo norueguês.

A Norsk Hydro contratou uma auditoria independente da empresa de consultoria SGW Services para esclarecer o caso e, na sexta-feira (16), anunciou um investimento de 500 milhões de coroas (US$ 64 milhões).

A Hydro Alunorte, que pertence em 92,1% à Norsk Hydro, produz 5,8 milhões de toneladas de alumina ao ano. A alumina, extraída da bauxita, é a principal matéria-prima para a produção do alumínio. As ações da Norsk Hydro perderam 15,82% de seu valor no último mês.

Tragédia ambiental

A gestão dos rejeitos de mineração é um tema sensível no Brasil, que registrou, em 2015, a pior tragédia ambiental de sua história: o rompimento de uma barragem com quase 40 milhões de metros cúbicos de resíduos de mineração em Mariana, Minas Gerais.

O tsunami de lama matou 19 pessoas, destruiu várias cidades e percorreu mais de 600 km pelo rio Doce até o Oceano Atlântico, devastando fauna e vegetação em sua passagem.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.