Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/06 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/06 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/06 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Show de Gil, Gal e Nando Reis é uma reação à crise brasileira, diz Libération

media O jornal francês Libération desta terça-feira (13), traz artigo sobre "Trinca de ases", o show que reúne Gilberto Gil, Gal Costa e Nando Reis, em cartaz nesta semana em Paris. Fotomontagem liberation.fr

O jornal Libération desta terça-feira (13) elogia “Trinca de Ases”, o show que reúne Gilberto Gil, Gal Costa e Nando Reis, e que será apresentado no próximo sábado (17), em Paris. “Trinca de ases e luta de classes” é o título do artigo assinado pelo critico Jacques Denis.

O texto explica que os três músicos resolveram fazer o trio em 2016, em comemoração ao centenário de nascimento de Ulisses Guimarães, o grande líder da oposição na época da ditadura militar brasileira, mas também em reação à crise política que sacode o país.

Segundo Libération, Nando Reis é o caçula da trinca, comandada por seu mentor Gil. Gal Costa é apresentada como a "doce musa" do emblemático Tropicália, o LP lançado no verão de 1968, com críticas mordazes contra a burguesia e uma abertura radical a todos os estilos musicais. Cinquenta anos mais tarde, este disco manifesto do movimento tropicalista, cofundado por Gil, parece mais atual do que nunca, “neste momento em que um retrocesso ameaça o país desde o golpe institucional que destituiu em 2016 a presidente Dilma Rousseff”, ressalta o jornalista.

O artigo faz um resumo, através da carreira de Gil, da história recente da MPB. Lembra que o músico foi ministro da Cultura do primeiro governo Lula e o segundo negro, depois de Pelé, a integrar um ministério no Brasil. Citando Caetano, apontado com seu alter ego, o texto diz que desde o início Gil “queria criar um movimento para impulsionar as verdadeiras forças revolucionárias da música brasileira, ultrapassando as fronteiras da canção engajada, as elegantes sequências de acordes alternados e a estreiteza do nacionalismo”. Uma ambição que mostra a proximidade estética com Sergent Pepper dos Beatles.

Ícone de uma geração

Dez anos depois da "revolução de seda" que foi a bossa nova, 1968 marcou uma virada na música brasileira. Gil se impôs como o ícone de uma geração que não queria se submeter a uma ditadura nacionalista, cada dia mais repressiva, e ao lado de Caetano foi detido e exilado. Até hoje, o talentoso guitarrista insiste na importância da herança deixada pelo tropicalismo.

O engajamento continua. Agora, homenageando a figura de Ulisses Guimarães, a “Trinca de ases ecoa as palavras de milhões de brasileiros, cansados de décadas de corrupção da classe política e desgastados pelos escândalos em série". A todos, "inclusive aos decepcionados com o PT de Lula, que duvidam mais do que nunca das virtudes da democracia, o pacifista Gil responde, como em 1968, a sua maneira, com um violão na mão”, afirma o jornal Libération. O disco live, resultado da turnê brasileira do trio, é uma forma de resistência a qualquer tentação de um retrocesso, enquanto o exército voltou às ruas do Rio de Janeiro desde 16 de fevereiro, compara o jornal.

O show de Gil, Gal Costa e Nando Reis em Paris acontece no próximo sábado, 17, na sala de espetáculos Seine Musicale.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.