Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/08 09h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Golpe afetou poder de barganha e voz do Brasil no exterior, diz historiadora

Golpe afetou poder de barganha e voz do Brasil no exterior, diz historiadora
 
Historiadora Juliette Dumont lança livro sobre as origens da diplomacia cultural de Brasil, Argentina e Chile. RFI

Faz 15 anos que a historiadora francesa Juliette Dumont estuda a América Latina, principalmente o Brasil, a Argentina e o Chile. A professora de História do Instituto de Altos Estudos da América Latina (Iheal), na França, e presidente da Associação para a Pesquisa sobre o Brasil na Europa (Arbre) se aprofundou na construção da diplomacia cultural desses três países, tema de sua tese de doutorado. O estudo agora é publicado na França sob o título Diplomaties culturelles et fabrique des identités. Argentine, Brésil, Chili - 1919-1946 (Diplomacias culturais e fábrica das identidades. Argentina, Brasil, Chile).

Em entrevista à RFI, Dumont explica que a diplomacia cultural brasileira foi uma das responsáveis pelo país forjar uma imagem tão positiva no exterior, um trabalho iniciado no Império, mas que se reforçou durante a era Getúlio Vargas. Com o fim do nazismo, o país se apresenta como mito da democracia racial, reforçado pelos trabalhos de Gilberto Freyre.

“Isso pegou muito bem no exterior. Tivemos de esperar o fim da Segunda Guerra Mundial para o Brasil projetar uma imagem de país mestiço, com elementos africanos. Havia, por parte dos funcionários do Itamaraty, um certo receio de apresentar uma imagem africanizada do Brasil”, explica. “O país começa a promover a música popular. Até na ditadura militar, o governo promovia artistas como Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil. Em plena ditadura, o governo financia shows desses cantores no exterior.”

Gil na Cultura e o auge da projeção internacional

A pesquisadora observa que o auge dessa diplomacia ocorreu nos anos dos governos Lula – simbolizado por Gilberto Gil à frente do Ministério da Cultura. “Lula usou a cultura como ferramenta de projeção do Brasil no cenário internacional, sobretudo na dimensão da africanidade do Brasil – num momento em que, ao mesmo tempo, o país tentava ganhar mercados na África”, afirma.

A sucessora Dilma Rousseff, entretanto, não teve a mesma habilidade em manter o país sob os holofotes, prejudicada também por uma conjuntura internacional desfavorável, devido à crise internacional e o terrorismo. Mas a historiadora constata que essa perda de visibilidade se acentuou após o impeachment da petista, em 2016.

“O golpe realmente abalou um pouco essa imagem muito positiva que havia sobre o país. O Brasil estava na moda e encarnava um modelo para as esquerdas da Europa”, relembra a historiadora. “O golpe, e as imagens que circularam, por exemplo, da votação do impeachment da Dilma na Câmara dos Deputados, começaram a abalar essa imagem. Passou-se a se falar do Brasil só pela corrupção e a crise econômica. Isso afeta muito o poder de barganha do Brasil, a sua visibilidade e capacidade de ter uma voz nas instituições multilaterais”, avalia a pesquisadora.

Preocupação com intervenção no Rio de Janeiro

Em um contexto de nostalgia da ditadura militar por uma parcela dos políticos e da população, Dumont vê com preocupação a decisão de Michel Temer de enviar o Exército para restabelecer a segurança no Rio de Janeiro. Ela avalia que, hoje, é impossível prever o desfecho da intervenção federal.

“O fato de o general [Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército] ter dito que não quer uma nova Comissão Nacional da Verdade que julgue os militares é muito preocupante. Não sabemos muito sobre qual foi a parte do Exército no impeachment - mas a comissão, que durou de 2011 a 2015, foi muito criticada nas Forças Armadas”, disse.

A historiadora considera que as instituições nascidas da Constituição de 1988 “estão muito frágeis” porque o país não refletiu o bastante sobre a herança da ditadura. “Em especial, sobre as violências exercidas pela Polícia Militar e o Exército, mas não só: também a Justiça, o Legislativo, a mídias e grandes grupos da sociedade, as empresas, que não cumprem o espirito da Constituição de 1988.”


Sobre o mesmo assunto

  • Brasil

    Anistia Internacional destaca retrocessos do Brasil nos direitos humanos

    Saiba mais

  • Brasil

    Imprensa: Brasil dá "sinal negativo" ao enterrar reforma da Previdência

    Saiba mais

  • Imprensa

    Jornal francês se surpreende com vídeo de conselhos para negros no Brasil

    Saiba mais

  • Imprensa

    Ausência de programa social prejudica planos de Bolsonaro à presidência, diz Le Figaro

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.