Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/06 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/06 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/06 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • França vence Peru por 1 a 0 e se classifica para segunda fase da Copa
Brasil

Documentário de Karim Ainouz sobre refugiados na Alemanha é premiado na Berlinale

media O diretor Karim Ainouz durante pronunciamento ao receber o prêmio na Berlinale neste sábado (24). Reprodução Youtube

O documentário Zentralflughafen THF (Aeroporto Central THF, em tradução livre) conta, durante quase um ano, a vida de refugiados que foram acolhidos pelo governo alemão em Tempelhof, o antigo aeroporto da capital alemã. O diretor do filme, Karim Ainouz, reputado por películas como “Madame Satã” e “O céu de Sueli”, recebeu o prêmio Anistia Internacional pelo documentário neste sábado (24), no Festival de Cinema de Berlim, com um discurso de “resistência à situação política brasileira”.

Em entrevista à RFI Brasil durante a Berlinale deste ano, o diretor Karim Ainouz falou sobre sua inspiração para o filme. “A ideia deste filme veio com a vontade grande que eu tive de me engajar com uma questão urgente, que a gente estava vivendo na Europa, especificamente na Alemanha, com as guerras que estão acontecendo há anos no Oriente Médio, com um influxo grande de pessoas que estavam fugindo", conta o diretor. "No verão de 2015, eu comecei a ver uma série reportagens sobre multidões de pessoas que estavam chegando na Grécia, atravessando os Bálcãs, para vir para a Alemanha e aquilo começou a me incomodar muito, porque foi recuperado pela extrema-direita, como se fossem pessoas que estavam invadindo a Europa”, aponta Aïnouz.

“Eu fui ao aeroporto e fiquei muito impressionado, porque era um dos poucos abrigos que estavam no meio da cidade. Até me lembrava o Brasil, esta coisa que a gente tem, entre a favela e o asfalto. Além disso, tinha uma outra questão que me fascinou muito que era a de um abrigo de refugiados dentro de um aeroporto, que foi construído em 1923 e ampliado no Terceiro Reich. Achei aquilo muito irônico, como se a história estivesse se reconciliando com ela mesma. O que era um espaço para consertar aviões de guerra virou um espaço para abrigar pessoas fugindo da guerra”, disse o diretor, radicado na Alemanha.

No momento de receber o prêmio neste sábado (24), Karim Ainouz denunciou, lendo um texto, “um golpe perpetrado por corruptos oligarcas no Brasil”. “Estamos em Berlim, mas precisamos falar sobre o Brasil”, disse ele, antes de continuar a ler o manifesto.

Para ver o discurso completo do diretor e o anúncio oficial da premiação, clique no vídeo abaixo:

Outros brasileiros premiados

Dois filmes brasileiros levaram o Teddy Awards na noite desta sexta-feira (23), a principal recompensa do segmento LGBTI da Berlinale, o festival de Cinema de Berlim. Tinta Bruta, dos diretores gaúchos Marcio Reolon e Filipe Matzembacher, venceu a categoria de melhor longa-metragem e Bixa Travesty, do casal Claudia Priscilla e Kiko Goifman, foi escolhido como melhor documentário, escrito há seis mãos com a protagonista do filme, a performer brasileira Linn da Quebrada, uma das estrelas desta edição do Teddy Awards em Berlim.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.