Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Boris Johnson é o novo primeiro-ministro do Reino Unido
Brasil

The Guardian diz que Temer poderá tirar benefício eleitoral de intervenção no Rio

media Michel Temer decreta intervenção militar no Rio de Janeiro. REUTERS/Ricardo Moraes/File photo

O jornal britânico The Guardian foi um dos primeiros da Europa a informar sobre a decisão do presidente Michel Temer de decretar uma intervenção  do Exército no Rio de Janeiro. O texto explica que a medida é inédita desde o retorno do país à democracia, porque, pela primeira vez, as Forças Armadas assumirão o controle de todas as operações de segurança e comandarão os distintos corpos policiais.

"Roubos e tiroteios em massa durante o Carnaval, seguidos de um temporal que matou quatro pessoas e causou um caos nas ruas, aumentaram a sensação de que a cidade está ficando fora de controle", diz o Guardian. O jornal britânico observa que "intervenção militar é um assunto delicado para muitos brasileiros", embora simpatizantes de extrema-direita apoiem cada vez mais um retorno a um governo militar". O diário britânico também relata a reação de receio de muitos moradores das favelas, "que temem o policiamento a cargo de soldados sem treinamento". The Guardian lembra que a ocupação militar de 15 meses na favela da Maré terminou em junho de 2015 "sem que se tenha resolvido o problema da violência causada pelo tráfico de drogas de forma perene". 

The Guardian também destaca que enquanto a intervenção militar no Rio estiver em vigor, o Congresso não poderá aprovar alterações à Constituição, o que coloca em suspenso a reforma da Previdência. "Temer poderá tirar benefícios dessa medida", analisa. Segundo Ricardo Ismael, professor de ciências políticas na Pontifícia Universidade Católica do Rio, "Temer tentará ganhar popularidade".

O presidente, no entanto, disse que vai cessar a intervenção federal no Rio de Janeiro para a votação da reforma de previdência. 

Segurança prejudicada por crise financeira

Na França, o site da Le Point informa que o general Walter Souza Braga Neto, que já tinha dirigido as operações de segurança durante as Olimpíadas, será responsável pela intervenção do Exército. "A confusão e a total falta de coordenação da polícia durante o Carnaval levaram o presidente Temer a tomar esta decisão", explica à revista o cientista político David Fleischer, professor na Universidade de Brasília. 

Le Point esclarece que a segurança no Rio foi prejudicada pela grave crise financeira no estado, à beira da falência. "Funcionários públicos e policiais não têm recebido seus salários com frequência", ressalta a Le Point.

O jornal Le Figaro reproduz as frases de maior impacto do pronunciamento de Temer. "O crime organizado quase tomou conta do Rio de Janeiro. [...] Tomo essas medidas extremas porque as circunstâncias exigem. O governo dará respostas duras, firmes e adotará todas as providêncais necessárias para enfrentar e derrotar o crime organizado e as quadrilhas", declarou o presidente brasileiro.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.