Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 11/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 11/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 11/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 11/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 11/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 11/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Requisição de passaporte de Lula é “abuso judiciário”, diz jurista Pedro Dallari

media O jurista brasileiro Pedro Dallari, presidente da Comissão da Verdade desde 2013. Tomaz Silva/ Agência Brasil

Para Pedro Dallari, professor de Direito Internacional da Universidade de São Paulo (USP) e presidente da Comissão da Verdade, no Brasil, a decisão do juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara da Justiça Federal do Distrito federal, “é um exagero”.

“Trata-se de uma medida desproporcional. Essa medida seria justificada apenas se houvesse algum risco de que o ex-presidente não retornasse ao Brasil”, afirma o advogado.

“Lula tem uma agenda intensa de atividades no país, não teve condenação definitiva e não há nenhum tipo de acusação pendente em relação a ele que possa justificar essa medida. Foi um abuso do ponto de vista judiciário”, pontua o jurista. “Acredito que esta medida será revista rapidamente pelas instâncias superiores”, afirma.

Instâncias Superiores: cabe recurso?

“Como a decisão foi adotada por um juiz de primeira instância, o primeiro tribunal a se recorrer é o Tribunal Regional Federal da região, no caso, em Brasília, a 1ª região. Em seguida, poderia caber recurso ao Superior Tribunal de Justiça e ao Supremo Tribunal Federal, mas tenho muita convicção que a decisão será revista, já na primeira instância”, diz Dallari.

O advogado afirma que a decisão do juiz de Brasília é exagerada. “Mesmo que se queira usar a decisão adotada esta semana, relativa ao apartamento do Guarujá, ela ainda não pode produzir nenhum tipo de efeito jurídico. Portanto, não há nenhuma fundamentação para essa medida”, confirma o jurista.

"Caso haja prejuízo para a investigação ou apuração dos fatos com a saída do acusado do território brasileiro, uma das medidas possíveis é justamente a retenção do passaporte. Mas essa prerrogativa do juiz só pode se realizar se houver justificativa válida, que neste caso, não existe. Não há nenhum indicativo de que o ex-presidente esteja planejando se furtar de suas obrigações judiciais, pelo contrário, ele é candidato à Presidência da República no Brasil", afirma.

Lula durante reunião ampliada da Comissão Executiva Nacional do PT EUTERS/Leonardo Benassatto

Cúpula Africana e FAO

Questionada pela RFI, a União Africana não quis dar nenhuma declaração sobre a anulação da viagem do ex-presidente, uma vez que a organização não o interpelou diretamente e o convite partiu da Agência das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, a FAO.

A FAO, por sua vez, publicou uma reação no Twitter da entidade. A mensagem diz: “Lamentamos que Lula da Silva não seja capaz de compartilhar pessoalmente sua impressionante experiência na implementação do #FomeZero durante a Cúpula #AU na Etiópia. A reunião de sábado com os chefes @UN @AU e outros é uma oportunidade valiosa para discutir o progresso no combate à #Fome na África”.

Reação da FAO à ausência de Lula no evento. Reprodução Twitter

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.