Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 19/02 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 19/02 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 19/02 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/02 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/02 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/02 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/02 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/02 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Imprensa francesa anuncia morte do estilista Karl Lagerfeld, da Chanel

Filme compara utopia de Ford com destruição da Amazônia pela soja

Filme compara utopia de Ford com destruição da Amazônia pela soja
 
O pesquisador Marcos Colón, diretor do documentário "Beyond Fordlândia". Foto: Paloma Varón

“Beyond Fordlândia” é um documentário premiado do brasileiro Marcos Colón, pesquisador do Centro de Cultura, História e Meio Ambiente do Instituto Nelson de Estudos Ambientais, da universidade de Wisconsin. Ele foi exibido em Paris nesta quarta-feira (24).

Colón explica que a inspiração veio de sua tese de doutorado, a partir de um livro de Mario de Andrade, “O Turista Aprendiz”, sobre uma expedição etnográfica do escritor à Amazônia em 1927. Para Colón, o que mais sobressai na obra “é a sensibilidade do autor de querer capturar um momento, de querer entender uma região etnograficamente”. Ele acrescenta que “Mario de Andrade teve uma preocupação importante em ver, sentir e olhar o Brasil”.

Um dos objetivos do filme, explica o diretor, é mostrar a situação hoje da Amazônia e da população local. O título “Beyond Fordlândia” remete a um projeto do americano Henry Ford, pioneiro da indústria automobilística, que comprou uma vasta área de terras no Pará, com o intuito de produzir látex, imprescindível para a confecção de pneus de borracha. Apesar de o escritor modernista apenas mencionar a Fordlândia no livro de 1927, Colón decidiu conhecer o projeto utópico do magnata, noventa anos depois.

Empreendimentos destruidores

Ford ficou na região de 1927 a 1944 e acabou abandonando a região quando viu que seu projeto não era viável e nem rentável. “Foi a primeira tentativa de implantar um projeto industrial de larga escala na Amazônia”, diz o diretor.  

Diante do desmantelo atual da região, Colón observou que a tentativa frustrada de Ford em tentar dominar o espaço e geografia, sem respeitar os limites ambientais e humanos, tem repercussões até hoje. “Podemos observar outros empreendimentos com as mesmas características de monocultura, de exploração e desrespeito do ambiente, do espaço amazônico e principalmente do legado do homem amazônico”. Segundo o diretor pesquisador, a semente deixada por Ford, dormente até então, volta agora com uma incrível força destruidora na figura da soja.


Sobre o mesmo assunto

  • Sebastião Salgado/César

    “Sal da Terra”, sobre Sebastião Salgado, ganha prêmio francês de melhor documentário

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    “Jaci é microcosmo de problemas do Brasil”, diz diretor de documentário

    Saiba mais

  • Cultura

    Documentário francês mostra excluídos econômicos

    Saiba mais

  • Brasil/França

    Festival de documentários sociais sobre o Brasil é sucesso na França

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.