Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/02 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/02 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/02 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/02 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/02 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/02 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/02 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/02 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Manifestantes pró-Lula começam a chegar em Porto Alegre

media Movimentos populares marcham em apoio a Lula nas ruas da capital gaúcha. RFI/Marcela Donini

A dois dias da sessão que julgará o ex-presidente Lula na capital gaúcha, caravanas de diferentes lugares do Brasil começam a chegar na cidade. Uma marcha nesta segunda-feira (22) contou com a participação do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra e lideranças petistas.

Marcela Donini, de Porto Alegre

A semana começou agitada em Porto Alegre, que receberá, na quarta-feira (24), o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado a nove anos e seis meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. Logo pela manhã chegaram à capital movimentos populares como os trabalhadores rurais sem-terra e a Central Única dos Trabalhadores. Eles marcharam da entrada da cidade até o acampamento onde ficarão concentrados os manifestantes pró-Lula. O grupo passou pelo centro da capital ao lado de lideranças petistas regionais e nacionais como a presidente do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann, que falou à RFI.

A senadora disse ter esperança na absolvição de Lula e ressaltou inconsistências do processo, já apontadas por juristas, como a falta de provas. Para Gleisi, o momento é de ir às ruas em defesa da democracia sob pena de o Brasil cair em uma ditadura branda. "Tivemos dois precedentes importantes no caso do João Vaccari, em que foi absolvido, e o processo era muito semelhante, ou seja, a condenação baseada em delações e sem provas", declarou.

A vinda de Lula não está confirmada pelo partido. Segundo a senadora, a definição deve ocorrer ainda nesta segunda-feira. Outros atos pró-Lula serão realizados em diferentes pontos da cidade durante o dia. Já os grupos de oposição organizam dois eventos, um na terça-feira (23) e outro na quarta. Ambos estão previstos para as 18h no Parque Moinhos de Vento, tradicional ponto de manifestações antipetistas desde a época do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Em marchas pacíficas, manifestantes demonstram apoio a Lula nas ruas de Porto Alegre. RFI/Marcela Donini

Uma vaquinha eletrônica está aberta para arrecadar fundos para o carro de som que fará a festa promovida pelo Movimento Brasil Livre na quarta-feira. Até a tarde desta segunda-feira, haviam sido arrecadados cerca de R$ 14 mi do total da meta de R$ 40 mil. 

Segurança na terra, céu e água

Até o momento, as manifestações têm sido pacíficas. O policiamento no entorno do Tribunal Regional Federal, onde ocorrerá o julgamento, já foi reforçado, assim como em outros prédios públicos. O trânsito no centro histórico de Porto Alegre terá bloqueios a partir das 12h do dia 23. No dia do julgamento, haverá isolamento da área entre as avenidas Loureiro da Silva, Edvaldo Pereira Paiva e Augusto de Carvalho, com um único acesso para autoridades e jornalistas credenciados. O espaço aéreo sobre essa área também será fechado, e o rio Guaíba, que contorna o perímetro, terá monitoramento da Brigada Militar.

A Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul não divulgou números da operação especial, mas informa que está trabalhando em conjunto com a Polícia Rodoviária Federal e a Força Nacional, cujos 200 agentes estão em Porto Alegre desde 2016 a pedido do governador, José Ivo Sartori.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.