Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 13/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 13/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 13/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 13/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 13/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 13/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

“Retrocesso político mundial favorece Bolsonaro”, opina astrólogo francês

media O ariano Jair Bolsonaro: favorecido pela astrologia em 2018. Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

Depois do Brexit e da eleição de Donald Trump, os céus de 2017 permitiram, segundo a astrologia, a ascensão da extrema-direita na França, na Alemanha e na Áustria, além do fortalecimento de regimes conservadores e populistas na Polônia, na Hungria e na Turquia. Agora, depois do reprovado governo Temer, pode ser a vez do Brasil de ser varrido por uma onda retrógrada e populista.

O alerta vem do astrólogo francês Gilles Verrier, que aplica seus conhecimentos dos céus ao estudo da geopolítica. Segundo ele, o mundo passa por uma fase de transição que só deve se encerrar em 2020. Enquanto isso, a tendência atual é de retorno ao passado, ao seguro, àquilo que já se conhece.

“Há algumas semanas Saturno entrou em Capricórnio, o que significa um retorno à ordem, à autoridade, ao poder forte. Isso vale não só para o Brasil, mas para todo o mundo. Em qualquer país, os políticos que prometerem ordem, segurança e estabilidade sairão na frente em 2018”, conta Verrier em entrevista à RFI Brasil.

O mapa do Brasil

“O mapa astral de um país pode ser feito através da data da sua independência política ou através da data da sua Constituição”, explica Verrier. “Na verdade, não há unanimidade entre os astrólogos sobre isso. Para a França, por exemplo, a Constituição de 1958, da chamada Quinta República, funciona muito bem como ponto de partida para o mapa astral do país. No caso do Brasil, me parece que a maioria dos astrólogos dá preferência à data da Independência, o 7 de setembro de 1822. Por isso, parto dessa data para avaliar o ano de 2018 no Brasil”.

Ano de eleições

Faltando nove meses para o primeiro turno das eleições presidenciais, muitas surpresas e reviravoltas ainda podem acontecer entre os possíveis candidatos e pré-candidatos. Por isso, convidamos Gilles Verrier a considerar um hipotético segundo turno entre os atuais líderes nas pesquisas de intenção de voto: o escorpiano Lula (PT) e o ariano Jair Bolsonaro (PSC).

“Nós não sabemos a hora de nascimento do Lula, o que torna o seu mapa astral menos claro. Sabemos, por outro lado, todos os detalhes de Jair Bolsonaro. Ele arvora de representante do Ordem e Progresso da bandeira brasileira, ainda que, na minha opinião, suas ideias sejam extremadas. Com todo esse retrocesso, essa volta ao populismo, Bolsonaro é o candidato que mais se beneficia da conjuntura atual. Os trânsitos mostram uma dinâmica muito mais favorável a ele do que a Lula”, opina Verrier.

Fim da linha para Lula?

No dia 24 de janeiro, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região vai julgar o recurso apresentado pela defesa de Lula contra a condenação pelo juiz Sérgio Moro à pena de 9 anos e meio de prisão por corrupção no caso do tríplex do Guarujá. A confirmação da pena poderá inviabilizar a candidatura do petista às eleições.

“Difícil saber com precisão, sem sabermos a hora do nascimento do Lula. De qualquer modo, o momento atual não é dos mais favoráveis para ele. Pode ser até que ele seja obrigado a encerrar sua carreira política no fim de janeiro”, cogita Verrier.

Gilles Verrier: astrologia geopolítica. Arquivo pessoal

No Brasil e no mundo, novos rumos só em 2020

“A partir de 2020 todas as conjunções entre Júpiter e Saturno vão acontecer, durante 180 anos, em signos de ar. (...) Isso significa o fim de um modelo de sociedade baseado na produtividade, no consumismo, na exploração de fontes não-renováveis de energia. Uma sociedade que deixa o planeta cada vez mais poluído. A partir de 2020, ou nós tomamos uma atitude consciente para mudar de rumo ou a vida vai nos obrigar a mudar de rumo. Afinal, é a sobrevivência da espécie humana que estará em jogo. E, obviamente, isso terá profundas implicações políticas. Eu só não sei qual será a ‘ideologia’ que vai dominar esta nova era. Com certeza, não será mais uma questão de direita ou esquerda, conceitos cada vez mais vagos e desatualizados”, conclui Verrier.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.