Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Brasil é o país mais perigoso para ambientalistas, diz Anistia Internacional

media Assassinatos de ambientalistas no ano de 2016. Fonte: Global Witness @globalwitness.org

O Brasil é o país do mundo que teve mais ativistas que lutam contra o desmatamento ou que defendem pequenos agricultores e sem-terra assassinados em 2016. Esta é uma das conclusões de um relatório divulgado pela Anistia Internacional nesta terça-feira (5), em Paris.

O documento mostra que, ao todo, 66 membros do Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores dos Direitos Humanos foram assassinados no ano passado no país, que é o mais perigoso do mundo para ambientalistas e defensores do acesso à terra. O Brasil é seguido por Colômbia, Filipinas, Índia e Honduras.

No país, lembra a Anistia Internacional, "os defensores do meio ambiente que lutam contra o desmatamento e defendem os interesses de comunidades enfrentam um lobby poderoso de empresas que exploram recursos naturais, se apropriam de terras e se opõem à reforma agrária".

Segundo o documento da Anistia, a maior parte das vítimas são indígenas e pequenos agricultores "expropriados de suas terras por interesses poderosos, ligados à exploração das riquezas naturais". A organização não-governamental constata que a situação, conhecida há vários anos, parece se agravar, principalmente "depois que as autoridades relaxaram na defesa dos direitos humanos".

Interesses privados

O relatório também constata que a intensificação dos ataques está ligada a uma tensão “que gera violência dentro das comunidades, pela ausência de uma participação efetiva de seus membros nas decisões que envolvem projetos de exploração de recursos pilotados pelos Estados ou empresas privadas.” Em outros casos, as violências são cometidas pelas forças de segurança dos Estados ou agentes de segurança particulares, que agem em nome de interesses comerciais de empresas privadas.

Entre janeiro e agosto deste ano, a violência contra militantes já causou a morte de 58 pessoas. O relatório cita o caso de dez agricultores mortos pela polícia em Pau d'Arco, no Pará, em maio, durante uma operação de desocupação de terras, e do líder do grupo de trabalhadores, Rosenildo Pereira de Almeida.De acordo com a ONG, em todo o mundo 200 pessoas foram mortas em 2016 defendendo suas terras ou o meio ambiente. Em 20 anos, a Anistia já registra 3.500 assassinatos de ambientalistas.

O novo relatório foi divulgado em meio à campanha anual do Dia Internacional de Defesa dos Direitos Humanos, celebrado no dia 10 de dezembro.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.