Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/10 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/10 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/10 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

"Catequismo da luta anticorrupção estimula protagonismo do Judiciário no Brasil", diz especialista

 
Fabiano Engelmann é cientista político. Foto: Elcio Ramalho

O Brasil está mergulhado em uma das piores crises políticas da sua história, não é segredo nenhum. A corrupção, acalentada durante todo o sempre, virou uma hidra, como a criatura mitológica com cabeças que se multiplicam. A luta anticorrupção no Brasil dos anos 2000 é tema de pesquisa de Fabiano Engelmann, professor do departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Como combater a corrupção num momento em que os três poderes distintos e autônomos, responsáveis pelo bom andamento da República, isso é, Executivo, Legislativo e Judiciário, se mesclam tanto? Engelmann analisa a situação através de três eixos.

“Desde a Constituição de 1988, desde o processo de redemocratização, o judiciário e, principalmente, o Ministério Público, foram adquirindo uma autonomia crescente, em termos de recursos, e também passaram a intervir bastante no espaço político”, explica o pesquisador.

“Há também o incremento da luta anticorrupção no âmbito internacional, a partir da OCDE, da ONU, da influência americana, com uma série de leis sendo promulgadas. Esse movimento internacional influencia as leis nacionais”, continua Engelmann.

“O terceiro ponto se refere ao jogo político, à conjuntura política, à problemática da grande fragmentação dos partidos políticos, a dificuldade de formação de coalizões de apoio aos governos no Congresso Nacional, o custo disso, da negociação da formação de ministérios. O custo das campanhas eleitorais também foi aumentando nos últimos 20 anos”, acrescenta o pesquisador.

Esses fatores relacionados acima, segundo Engelmann, “potencializaram as questões relacionadas à corrupção, ao financiamento de campanhas através de verbas ilícitas”. Esses fatores combinados levaram a uma maior judicialização, a um maior número de processos, que antes eram mais restritos a prefeituras e que depois passaram a atingir políticos em escala nacional, explica.

 


Sobre o mesmo assunto

  • Brasil

    Brasil vive “cinismo político”, diz Le Monde

    Saiba mais

  • Brasil/ corrupção

    Se associar a governo Temer virou “péssimo negócio” para deputados

    Saiba mais

  • Imprensa

    Temer devolve Brasil à escravidão para se salvar no Congresso, diz Les Echos

    Saiba mais

  • Brasil

    Temer vira "líder de quadrilha" em manchetes da imprensa francesa

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.