Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/10 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/10 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 19/10 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 19/10 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 15/10 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 15/10 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Em Nova York, Temer garante que recessão ficou para trás e defende reformas

media Michel Temer defendeu novamente o balanço de seu governo e prometeu continuar incentivando reformas. REUTERS/Shannon Stapleton

O presidente brasileiro Michel Temer assegurou nesta quarta-feira (20) a investidores em Nova York que vai continuar impulsionando sua agenda de reformas. O chefe de Estado afirma que a crise já passou e pediu confiança "em um novo Brasil" que estaria se "modernizando".

"A recessão ficou para trás. A inflação, que superava 10%, agora está abaixo de 2,5%. Os juros, que em 2015 haviam atingido mais de 14%, agora estão em 8,25%. Os empregos estão voltando", afirmou Temer em um evento organizado pelo jornal britânico Financial Times com investidores, à margem da Assembleia Geral da ONU, em Nova York.

Segundo o chefe de Estado, em menos de um ano de governo, foi resgatada a confiança, que se traduz em investimentos e em consumo. “Não tenham dúvida: estimulados por esses avanços, continuaremos a levar a cabo nossa agenda de reformas”, completou o presidente.

O desemprego afeta quase 13% da população ativa do Brasil. Mas o país começa a superar a pior recessão econômica de sua história. "Tenham certeza: investir no Brasil é ganhar", garantiu Temer, que enumerou entre suas conquistas para enfrentar a crise a aprovação de um teto dos gastos públicos, os avanços para uma reforma da Previdência Social e reformas para aumentar a produtividade, por exemplo via "modernização da legislação trabalhista" e do currículo escolar.

A popularidade de Temer, cujo mandato termina em 1º de janeiro de 2019, está na casa dos 5%. O presidente, que foi denunciado pelo crime de organização criminosa, não citou em nenhum momento a palavra "corrupção" durante seu discurso. 

(AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.