Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Segundo depoimento de Lula em Curitiba dura mais de duas horas

media Lula chega para depoimento em Curitiba. REUTERS/Rodolfo Buhrer

Durante cerca de 2h30 o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi interrogado pela segunda vez pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal, em Curitiba, nesta quarta-feira (13).

Lula é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro na compra de um terreno destinado a ser sede do Instituto Lula, em São Paulo, e de um apartamento vizinho ao do líder histórico do Partido dos Trabalhistas (PT), em São Bernardo do Campo.

 

O primeiro depoimento aconteceu em maio, quando Lula respondeu a Moro perguntas sobre o caso do tríplex no Guarujá, litoral paulista, durante quase cinco horas. Nessa ação, o ex-presidente foi condenado, em primeira instância, a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. No inicio desta semana, a defesa de Lula contestou a sentença no Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4).

 

Terreno estava em planilha de propinas

A sede do Instituto Lula nunca foi concretizada. O terreno foi adquirido pela construtora DAG, uma empresa laranja, segundo Marcelo Odebrecht. O ex-executivo da Odebrecht Alexandrino Alencar, em depoimento, disse que a sede não foi levantada porque Lula não teria gostado do terreno. Em uma planilha de propinas da Odebrecht, o terreno, no valor de R$ 12 milhões, estava registrado como IL (Instituto Lula), segundo Alencar.

O Instituto Lula informou, em comunicado, que nunca solicitou e nem teve a posse do terreno, que foi visitado uma vez e recusado.

O outro imóvel da ação é avaliado em R$ 500 mil e também é usado por Lula. O dono na escritura é Glaucos da Costa Marques, primo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula. Existe um contrato de locação entre Marques e Marisa Letícia, que morreu em fevereiro. Investigadores acreditam que o documento é fictício.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.