Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Comitê Olímpico Internacional prevê sanções se Olimpíadas no Rio em 2016 foram compradas

media Foto da construção da Arena Carioca 3, palco da esgrima, taekwondo e judô paralímpico.24/03/16 Tomaz Silva/ Agência Brasil

O presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach disse nesta sexta-feira (8) em Lima, no Peru, que o órgão prevê sanções caso seja provado que houve compra de votos na atribuição dos Jogos de 2016 ao Rio de Janeiro.

Segundo ele, “o CIO tomará todas as medidas e aplicará todas as sanções se existirem provas”. A Justiça francesa e brasileira investigam o caso. “Estamos acompanhando o desenrolar do inquérito de perto”, declarou. “Inclusive participamos da investigação ao lado do procurador francês”, acrescentou.

Bach chegou nessa sexta-feira a Lima, onde participará da 131 seção do CIO, onde serão designadas, na próxima quarta-feira, as cidades que vão sediar os jogos de 2024 (Paris) e 2028 (Los Angeles).

Na França, uma investigação preliminar foi aberta em dezembro de 2015 pelo Ministério Público francês, que trabalhava, há alguns meses sobre suspeitas de corrupção na cúpula na FIFA.

Rede internacional de corrupção

As autoridades brasileiras iniciaram na terça-feira (5) passada uma operação contra o responsável pela candidatura do Rio, Carlos Nuzman, ex-membro do CIO, suspeito de organizar a compra de votos dentro do comitê para beneficiar o Rio, que competia com Madri, Tóquio e Chicago. A polícia suspeita da existência de uma rede internacional de corrupção.

Madri era a favorita no início do processo, mas, no terceiro turno da eleição, após a eliminação de Tóquio, a capital fluminense bateu a concorrente por 66 votos contra 32. Segundo uma reportagem publicada pelo jornal Le Monde em março deste ano, documentos transmitidos pelo Fisco americano à justiça francesa mostraram que, em setembro de 2009, três dias antes do voto crucial em Copenhague, uma das empresas ligadas à transação ilegal transferiu fundos para um membro do COI.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.