Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Jornal Le Monde dá destaque à privatização da Eletrobrás

media Eletrobrás: a maior empresa de energia elétrica da América Latina, produzindo 38% da energia consumida no Brasil. Source: Wikipédia, photo: Dario Alpern

Na sua edição desta sexta-feira (8), que vale para todo o final de semana, o jornal francês analisa o projeto de Michel Temer de privatizar a Eletrobrás e outras estatais brasileiras.

A reportagem do caderno de Economia do Le Monde começa com a reunião do BRICS, realizada em Xiamen, na China, entre 3 e 5 de setembro, quando o presidente Michel Temer abordou o presidente chinês Xi Jinping, oferecendo-lhe as estatais que o Brasil pretende privatizar. “Nós esperamos que a China possa se interessar”, declarou Temer.

O presidente brasileiro saiu da reunião satisfeito. A China confirmou seu interesse em ativos Latino Americanos, sobretudo brasileiros, na área de agricultura, infraestrutura e economia.

Reações positivas

O mercado de ações reagiu bem ao projeto de privatizações do governo de Michel Temer, que mira não só a Eletrobrás, mas também cerca de sessenta ativos entre autoestradas, portos, aeroportos e a Casa da Moeda, que imprime as notas do real. Após o anúncio do pacote de privatizações, as ações da Eletrobrás chegaram a ter uma valorização de 50%.  

Vendendo a Eletrobrás, mas mantendo o direito de veto no Conselho de Administração da empresa, a União espera receber cerca de R$ 20 bilhões. Se somados outros R$ 20 bilhões que o governo pode arrecadar com a venda de outros ativos e concessões, “a operação pode aliviar o déficit do Estado durante dois ou três anos”, comentou Felipe Salles, economista do banco Itaú Unibanco, em São Paulo.

“Vendendo o carro para pagar a gasolina”

“Que ironia!”, comentou Pedro Rossi para o Le Monde, professor de Economia da Unicamp. “O Brasil vende para o Estado chinês empresas públicas que, supostamente, são mal geridas pelo Estado brasileiro. É o Brasil se vendendo à China. Um suicídio”.  

Já para o coordenador do Grupo de Estudos do Setor Energético da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Nivaldo de Castro, “não há estratégia (energética) alguma no projeto de privatização, a não ser a chegada de novos recursos para aliviar o déficit fiscal antes das eleições de 2018. O governo está vendendo o carro para pagar a gasolina”.

“Precipitação”

O jornal Le Monde termina concluindo que “certos analistas consideram precipitada a ação do governo brasileiro, que tenta mascarar a sua incapacidade de dar continuidade às reformas estruturais há muito tempo esperadas. Principalmente a reforma do sistema previdenciário que poderia, realmente, aliviar as finanças públicas”.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.