Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Dez anos depois, UPP "não faz diferença" para moradores de favelas no Rio

Dez anos depois, UPP
 
A cientista social Silvia Ramos, coordenadora do CESeC Claudia Ferreira

Faz 10 anos que as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) foram implantadas em favelas do Rio de Janeiro. O CESeC (Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes) divulgou a quarta e última rodada da pesquisa sobre o projeto. Foram entrevistados 2.479 moradores de 118 comunidades de 37 territórios da cidade.

Os resultados apontaram que entre 55% e 68% consideram que que a presença da UPP "não faz diferença". Para a cientista social Silvia Ramos, uma das autoras do estudo, esse dado foi surpreendente.

“Olhando de fora temos sempre a impressão de que a experiência das UPPs foi algo definitivo para os moradores da favela, tanto para o bem como para o mal. Ou porque trouxe muita segurança em um certo momento ou porque os moradores detestam a polícia e aquela presença era vista como muito hostil”, analisa.

“Porém uma parte expressiva considera a UPP um serviço público como outro qualquer, que não está sendo bem prestado, que não é de boa qualidade, mas que não afeta tanto o cotidiano como nós imaginávamos. ”

Aspecto sensível

O conceito de polícia de proximidade, segundo o estudo, parece ser abafado pelas revistas corporais, a maioria em homens jovens e negros, e também por humilhações.

Para Silvia, “esse é um dos aspectos mais sensíveis da pesquisa”. “Verificamos que os moradores que são mais vezes abordados pela polícia, que têm as casas revistadas, são os mais reativos e os mais críticos à experiência. O que a gente observa é que aquele policial que ia realizar o trabalho comunitário e manter o diálogo com os moradores se transformou naquele policial ostensivo, hostil e que trata morador da favela, principalmente o jovem negro, praticamente como um inimigo”, explica.

Ela lembra que, “antigamente, o jovem era abordado quando saía da favela e transitava por um bairro de classe média alta do Rio de Janeiro”.

“Agora ele é abordado quando chega em casa e ao sair de casa. E essas experiências repetitivas, de desrespeito e muitas vezes de humilhação, são vividas como experiências de inimizade e de hostilidade. E isso produz sentimentos muito negativos. ”

Outro ponto relevante da pesquisa é a diferença de opinião de moradores brancos e negros.

“Nos extremos, vemos uma diferença acentuada de opiniões principalmente entre jovens negros e idosos brancos. Os moradores com mais de 60 anos tendem a ter uma opinião bastante favorável sobre a polícia, e os moradores de menos de 29 anos avaliam de forma muito crítica e muito negativa a experiência com a polícia e as perspectivas em relação ao futuro.”


Sobre o mesmo assunto

  • Rio 2016

    Rafaela Silva: da favela Cidade de Deus ao ouro olímpico

    Saiba mais

  • Escola de dança da favela da Maré é única sul-americana em festival francês

    Saiba mais

  • França/Brasil

    Moradores das favelas ignoram crise política, diz Le Monde

    Saiba mais

  • Brasil/Olímpiadas

    A 100 dias das Olimpíadas, favelas vivem "clima de terror", diz Anistia Internacional

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.