Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

"Le Monde" diz que esquerda brasileira vai pagar o preço de apoiar Maduro

media Gleisi Hoffmann, presidente do PT, escreveu carta em apoio a Maduro Renato Araújo/ ABr

O jornal Le Monde publica na edição desta sexta-feira (18) que “a esquerda brasileira, desacreditada pelos escândalos de corrupção, poderia pagar um preço por seu apoio ao governo de Nicolás Maduro”. “Se não for nas urnas, será na opinião internacional”, completa.

“A esquerda brasileira está confusa. Como prisioneira do passado, ela resiste a condenar as medidas antidemocráticas do herdeiro de Hugo Chavez, porta-bandeira da revolução bolivariana, e se arrisca ao apoiar o polêmico regime”, diz a reportagem da correspondente Claire Gatinois.

É o que acontece com o PT (Partido dos Trabalhadores), do “icônico ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”. Na contracorrente das advertências internacionais contra a eleição da Assembleia Constituinte, suspeita de tentar arregimentar plenos poderes, a presidente do partido, Gleisi Hoffmann, escreveu no dia 30 de julho uma carta em defesa de Maduro.

“Ao convocar o povo para decidir sobre seu próprio futuro, o presidente enfrenta os interesses daqueles que, invariavelmente, se posicionam contra a utilização do dinheiro do petróleo para ações sociais”, diz o texto.

A iniciativa de Hoffmann, até pouco tempo conhecida por suas posições radicais, causa preocupação mesmo dentro do partido. Segundo o Le Monde, “Lula, homem aberto ao diálogo, inclusive com seus adversários político, teria preferido o silêncio, de acordo com seus interlocutores”.

O ex-presidente, que não faz mistério da sua ambição de brigar por um terceiro mandato em 2018, sabe que defender um regime com tintas autoritárias pode se tornar um veneno mortal “em uma campanha que deve ser cruel”.

Esquerda moderna

Já o PSOL (Partido Socialismo e Liberdade), “considerado como de esquerda moderna, progressista e esclarecida”, publicou um comunicado dando “toda sua solidariedade à revolução bolivariana”.

O deputado da legenda Jean Willys, porém, condenou o texto, “realizado sem consulta aos parlamentares”. “A oposição a Maduro é violenta. Leopoldo Lopez (um dos principais opositores) é um fascista, mas a resposta de Maduro não é boa. Ele transformou a Venezuela em ditadura”, diz.

Ele acusa ainda o chavismo de ser “autoritário, anacrônico, machista, homofóbico, antissemita, militarista e obsoleto”.

Para uma parte dos analistas, a posição pró-Maduro da esquerda tradicional brasileira é tão chocante quanto suicida. “A atitude do PT é lamentavelmente incompreensível. A associação ao regime venezuelano pode se tornar um freio para o partido na sua busca por uma nova dinâmica”, escreveu o cientista político Mathias de Alencastro na Folha de S. Paulo, cita o Le Monde.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.