Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 17/10 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/10 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 17/10 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/10 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/10 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 15/10 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 15/10 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Imprensa francesa destaca incerteza sobre a permanência de Temer

media Jornal Le Figaro diz "que o destino do presidente Temer está nas mãos dos deputados" RFI

Os jornais franceses desta quarta-feira (2) destacam a incerteza sobre a permanência ou não de Michel Temer na presidência da República, após o voto dos deputados hoje no Congresso, em Brasília.

O jornal Le Figaro traz o título "Brasil: o destino do presidente Temer entre as mãos dos deputados". O diário afirma que o "Congresso deve decidir nesta quarta-feira se o impopular chefe de Estado será julgado por corrupção. "Um fato inédito" no país, destaca o Figaro.

O jornal, que classifica Michel Temer como impopular e conservador e afirma que os deputados devem decidir se o chefe de Estado deverá ir a julgamento por corrupção, o que Le Figaro destaca como "um fato inédito na história político-judiciária brasileira, que, no entanto, já tem sido bastante agitada".

"Os partidários de Temer têm que assegurar um número suficiente de votos para se opor à ação judicial, depois de semanas de negociações denunciadas pela oposição como compra de votos", contextualiza o diário francês.

"Será que ele irá até o fim de seu mandato?"

Já o jornal Le Monde traz a manchete: "Dia decisivo para o presidente brasileiro Michel Temer". E continua: "alvo de graves acusações de corrupção, o chefe de Estado deverá conhecer seu destino com uma votação crucial no Parlamento".

"Será que ele irá até o fim de seu mandato?, pergunta o jornal, que explica aos leitores franceses que se dois terços dos deputados brasileiros - "342 votos de um total de 513", precisa le Monde - "decidirem a favor do julgamento de Temer perante o Supremo Tribunal do país, o chefe de Estado pode ser incriminado e será retirado do poder por seis meses.

"Mesmo com uma margem de popularidade historicamente muito baixa, 5%", explica o Le Monde, "o dirigente exibe uma confiança inabalável em sua capacidade de obter os votos necessários para que o caso seja definitivamente encerrado".

Bastidores da votação

Le Monde traz também um pouco dos bastidores desta votação, considerada histórica pelos franceses, que não se esqueceram da destituição de Dilma Rousseff. "Se ele conhece os segredos da Câmara, que presidiu em três ocasiões, Temer sabe que ele não está imune a uma reviravolta. É por isso que ele continuou a negociar nos bastidores nos últimos dias para garantir o apoio do máximo de parlamentares. Na terça-feira, ele almoçou com 52 deputados relacionados à Frente Parlamentar de Agricultura, que representa os interesses dos poderosos lobby do agronegócio", destaca o jornal francês.
Ja o

As televisões francesas também destacaram o voto do Congresso brasileiro nesta manhã, com correspondentes internacionais direto de Brasília. "Acusado de corrupção passiva dentro do contexto da Lava Jato, que já atinge grande parte da classe política brasileira, os parlamentares brasileiros devem decidir hoje o destino de Michel Temer, cuja margem de popularida atingiu seu nível mais baixo na semana passada, 5%.

Pesquisas de opinião mostram que cerca de 80% dos brasileiros são a favor da ação judicial na Corte Suprema do país, no meio de uma crise econômica sem precedentes e com uma taxa de desemprego de 13%", ressaltou a reportagem do canal France 24.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.