Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Brasileiro João Gomes Jr. é prata nos 50 m peito no Mundial de Natação

media João Gomes Jr. é prata no Mundial de Natação Reuters

O capixaba João Gomes Jr. ganhou mais uma medalha para o Brasil no Mundial de Natação de Budapeste, conquistando nesta quarta-feira (26) a prata nos 50 metros peito.

Aos 31 anos, o atleta subiu pela primeira vez ao pódio de um Mundial ao completar a distância em 26.62 segundos, estabelecendo um novo recorde americano e garantindo a sexta medalha para o Brasil na competição.

O tempo, porém, não foi suficiente para desbancar o favorito da prova, o britânico Adam Peaty, que levou mais um ouro.

"Posso dizer que foi a prova perfeita porque ganhei uma medalha. Estou feliz com o resultado", declarou após sair da piscina.

Peaty, 22 anos, revalidou o título conquistado há dois anos em Kazan e ficou a quatro centésimos (25.99) de quebrar seu próprio recorde mundial (25.95), estabelecido na terça-feira (25), nas semifinais.

Na ocasião, ele se tornou o primeiro nadador da história a completar a distância abaixo da barreira dos 26 segundos.

O sul-africano Cameron van der Burgh completou o pódio, terminando na terceira colocação (26.60).

O Brasil chegou perto de colocar dois nadadores no pódio, já que Felipe Lima terminou na quarta posição, a 18 centésimos de Van der Burgh (26.78).

A natação brasileira também pôde comemorar duas classificações às finais. Marcelo Chierighini se classificou para a decisão dos 100 m livre com o 8º melhor tempo geral (48.31).

Já Etiene Medeiros disputará uma medalha nos 50 m costas com o melhor tempo das semifinais (27.18).

Acirrada disputa no feminino

Mas o destaque do dia nas piscinas da Arena Danúbio foi a acirrada disputa pelo título nos 200 m livres feminino.

Num duelo direto entre três das maiores estrelas da natação, a italiana Federica Pellegrini, a norte-americana Katie Ledecky e a húngara Katinka Hosszu, a primeira levou a melhor graças a um ritmo muito forte nos últimos 50 metros.

A australiana Emma McKeon dominou a prova nos primeiros 150 metros, seguida de perto por Ledecky, mas a italiana acelerou na reta final, assumiu a ponta e fechou a prova com tempo de 1:54.73.

Ledecky e McKeon bateram exatamente ao mesmo tempo (1:55.8) e ambas receberam medalhas de prata, enquanto Hosszu decepcionou o público local, terminando apenas na 7ª colocação.

Bicampeã mundial na distância, Pellegrini se tornou aos 28 anos a primeira nadadora da história a somar sete medalhas numa mesma prova em Mundiais (ouro em 2009, 2011 e 2017; prata em 2005, 2013 e 2015; bronze em 2007).

A vitória acabou sendo uma despedida com chave de ouro para Pellegrini, que anunciou após a prova que essa foi sua última aparição nos 200 m livre.

"É uma medalha fantástica. Pensava que poderia subir ao pódio, mas não ganhar o ouro. Eu achava que Ledecky venceria", admitiu a italiana, quarta colocada nesta prova nos Jogos Olímpicos do Rio-2016.

"Antes dos últimos 50 metros, eu achava que estava na mesma posição que no Rio. Não sei de onde tirei energias. É o último 200 m de minha carreira", anunciou.

Um dia após se tornar a nadadora com mais títulos mundiais da história (12), Ledecky deu adeus ao sonho de somar seis ouros em Budapeste, onde já havia vencido três provas.

É a primeira vez que Ledecky, de apenas 20 anos, perde em 13 finais (individuais) disputadas em grandes campeonatos (Jogos Olímpicos e Mundiais). Mas, ao invés de lamentar o resultado, preferiu focar na motivação para melhorar.

"Sabia que seria difícil, mas não posso lamentar uma prata. Não sei o que aconteceu, tenho que voltar e ver a prova para ver onde posso melhorar", analisou a jovem campeã.

Le Clos e Detti surpreendem favoritos

O sul-africano Chad le Clos venceu os 200 m borboleta e recuperou o domínio da prova em que foi ouro olímpico em Londres-2012 e mundial em Barcelona-2013. Em Kazan-2015, precisou se contentar com a prata ao perder para o húngaro Lazlo Cseh, segundo colocado nesta quarta-feira.

Outra surpresa aconteceu na final dos 800 m livre. O chinês Sun Yang, que buscava um terceiro ouro em Budapeste após os títulos nos 200 e 400 m livre, terminou como quinto colocado de uma prova vencida pelo italiano Gabriele Detti.

Na última final do dia, a equipe americana venceu o revezamento misto 4x100 m Medley com direito a recorde mundial (3:38.56).

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.