Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 24/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 24/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 24/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 24/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 24/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 24/11 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

“Deveria haver um ‘Plano B’ sem Lula”, diz cientista político em Berlim

“Deveria haver um ‘Plano B’ sem Lula”, diz cientista político em Berlim
 
O cientista político Peter Birle, do do Instituto Ibero-americano de Berlim. Reprodução Facebook

O RFI Convida conversou com Peter Birle, cientista político do Instituto Ibero-americano de Berlim, que analisou a repercussão internacional e as implicações políticas internas da condenação em primeira instância do ex-presidente Lula pelo juiz Sérgio Moro.

 

(Para ouvir a entrevista na íntegra, basta clicar acima na foto do entrevistado)

“Acho que a notícia da condenação do ex-presidente Lula chega num momento muito difícil da política em toda vida brasileira porque há o presidente Temer que pode ser deposto por corrupção, muitos políticos também são acusados, numa sociedade muito dividida, numa situação econômica e social muito complicada”, analisa Peter Birle.

“É um momento difícil. A condenação do ex-presidente Lula, que foi um presidente muito popular e carismático, muito amado pelos pobres, e uma espécie de ídolo da esquerda latino-americana e até mundial. Então a notícia da condenação do ex-presidente é como uma bomba, não?”, questiona o cientista político.

"Parte do problema, não da solução"

“Tenho a impressão que estamos observando o que acontece no Brasil com muitas perguntas. Por um lado, a situação depois do escândalo de corrupção, muita gente pergunta se o juiz que usa tanta diligência contra o ex-presidente Lula, se ele está usando a mesma diligência contra os políticos de primeiro plano da vida nacional. Temos a impressão de que as pessoas não são tratadas da mesma forma, com os mesmos metros e medidas”, afirma.

“A situação econômica e social é muito complicada. Não podemos reduzir a situação do país aos problemas do ex-presidente Lula. Outra coisa que vemos também são muitos antipolíticos populistas da direita que podem se aproveitar agora do que está passando com Lula”, completa.

“Seguramente, se o Tribunal regional em Porto Alegre não vai condenar Lula na segunda instância, ele será candidato. Se não responder a outra condenação, os outros quatro processos. Mas, pensando um pouco no futuro do país, e acho que deveria haver um ‘plano B’, sem Lula. Mesmo se 30% da população dizem que votariam em Lula agora, existem 50% que rechaçam absolutamente a sua candidatura. Tenho muita simpatia pelo ex-presidente Lula e pelas reformas de sua presidência, mas acho que ele será transformado em parte do problema, e não da solução.


Sobre o mesmo assunto

  • Imprensa

    Condenação de Lula não torna panorama político mais alentador, diz El País

    Saiba mais

  • Linha Direta

    PT vai às ruas contra condenação de Lula, que pode ficar inelegível

    Saiba mais

  • Brasil/Lula

    Condenação de Lula é um terremoto político no Brasil, diz imprensa internacional

    Saiba mais

  • Brasil

    Lula é condenado a 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.