Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 20/01 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 20/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 20/01 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/01 14h00 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 18/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 18/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Lula é condenado a 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção

media O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado. Marcelo Camargo/ Agência Brasil

O ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado nesta quarta-feira (12) a 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, informou o tribunal do juiz Sérgio Moro. O magistrado indicou em sua decisão que o ex-chefe de Estado poderá recorrer em liberdade.

Lula foi acusado de ser o beneficiário do apartamento triplex no Guarujá, oferecido pela construtora OAS em troca de sua influência para obter contratos na Petrobras. 

Moro ordenou o confisco do imóvel e assinalou que o ex-presidente foi o destinatário R$ 3,7 milhões de forma ilícita. "Entre os crimes de corrupção e de lavagem, há concurso material, motivo pelo qual as penas somadas chegam a nove anos e seis meses de reclusão", determinou Moro.

Lula, que enfrenta outros quatro processos, sempre negou categoricamente as acusações e as atribuiu uma conspiração para impedir sua tentativa de reeleição em 2018. Para que sua candidatura seja impedida, o ex-chefe de Estado deverá ainda ser condenado em segunda instância.

O escritório de advogados encarregado da defesa de Lula já informou que prentede recorrer da sentença nos tribunais brasileiros, mas também no exterior. "Estamos apelando e provaremos sua inocência em todas as cortes imparciais, incluindo as Nações Unidas", afirmou um assessor do escritório em uma mensagem à AFP.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.