Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 25/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 25/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Le Figaro prevê dias difíceis para JBS, o "ogre brasileiro da carne"

media O Brasil está em destaque nas páginas dos jornais franceses Les Echos e Le Figaro desta segunda-feira (12).

O caderno de economia do jornal Le Figaro relata nesta segunda-feira (12), com chamada de capa, o escândalo de corrupção envolvendo o grupo JBS, chamado de "ogre brasileiro da carne".

O grupo JBS decidiu vender suas unidades de produção de carne bovina na Argentina, Paraguai e Uruguai, informa o Le Figaro, em uma tentativa de diminuir seu endividamento, que pode ser agravado pelo boicote de consumidores e restaurantes estarrecidos com as práticas de suborno dos irmãos Batista. O valor da operação, estimado em € 260 milhões, parece irrisório diante do faturamento do grupo, que ultrapassa € 46 bilhões, mas é uma medida preventiva para cobrir uma provável perda de faturamento e confiança na empresa.

O declínio da marca Friboi é só o começo dos problemas que a JBS deve enfrentar nos próximos anos, afirma Le Figaro. A empresa foi fundada com base em um modelo de crescimento duvidoso, que os brasileiros agora conhecem e podem rejeitar, destaca o Le Figaro.

Meirelles contra-ataca em Paris

O grande jornal econômico francês Les Echos dedica uma reportagem nesta segunda-feira (12) às relações entre a União Europeia e a América Latina e publica uma entrevista com o ministro da Fazenda brasileiro, Henrique Meirelles. Ele esteve em Paris na semana passada para uma série de reuniões com investidores na sede da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Les Echos pergunta a Meirelles o que irá acontecer agora que o presidente Michel Temer escapou de uma condenação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Meirelles responde que o governo poderá se concentrar nas reformas econômicas, uma declaração que não satisfaz o diário francês, ciente do clima tenso que dificulta a tramitação de projetos de lei no Congresso.

Meirelles insiste na defesa das medidas de saneamento aplicadas à economia brasileira e afirma que o país superou a etapa mais dura da recessão, podendo crescer até 2% no último trimestre do ano. O ministro destaca que o Brasil continua buscando uma integração maior com seus parceiros comerciais na região e na União Europeia. Ele afirma ter acertado em reunião com o ministro da Economia francês, Bruno Le Maire, uma aceleração no calendário de reuniões para a conclusão do acordo de livre comércio entre o Brasil e a União Europeia.

O jornal francês nota que após dois anos de recessão, os países da América Latina retomam o caminho do crescimento, adotando uma estratégia de menor dependência dos ciclos econômicos. Para atingir um processo de crescimento sustentável, os países do cone sul iniciaram um processo de harmonização de normas técnicas e burocráticas, com o objetivo de aumentar o valor de suas exportações. A última visita do presidente argentino, Mauricio Macri, ao Brasil, acompanhado de 50 representantes de agências, visando uma maior integração produtiva entre os setores industriais dos dois países para promover uma integração mais efetiva às cadeias globais de valor, é citada como exemplo dessa dinâmica.

O jornal francês considera que, apesar do protecionismo defendido pelo presidente americano, Donald Trump, os países latino-americanos querem continuar na via da abertura comercial. O diálogo com a União Europeia, como buscam Brasil e Argentina nesse momento, apesar dos nós persistentes em alguns pontos específicos das negociações, continua sendo, para o Les Echos, a melhor alternativa ao fortalecimento econômico da região.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.