Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Temer diz que pedirá suspensão do seu inquérito ao STF

media Michel Temer: "gravação clandestina, manipulada e adulterada". REUTERS/Ueslei Marcelino

O presidente Michel Temer voltou  a falar em cadeia de rádio e TV neste sábado (20). Acuado pela investigação aberta pelo Supremo Tribunal Federal, Temer aproveitou seu discurso para tentar denegrir Joesley Batista, que o delatou, com apoio de uma conversa gravada.

"(A gravação de Joesley) incluída no inquérito sem a adequada averiguação levou muitas pessoas ao engano e trouxe grave crise ao Brasil. No dia de hoje estamos entrando com petição no STF para suspender o inquérito até que seja definida a autenticidade da gravação", disse Michel Temer, usando um blazer, sem gravata.

As acusações se baseiam em uma "gravação clandestina manipulada e adulterada com objetivos nitidamente subterrâneos", insistiu o presidente.

"Ele (Joesley Batista) cometeu o crime perfeito. Enganou os brasileiros e agora mora nos Estados Unidos. Quero observar a todos vocês as incoerências entre o áudio e o teor do depoimento. Isso compromete a lisura de todo o processo por ele desencadeado", continuou.

"Continuarei à frente do governo", prometeu o presidente.

Fio da meada

O presidente Michel Temer está sendo acusado pela Procuradoria-geral da República (PGR) de corrupção passiva, formação de organização criminosa e obstrução à justiça.

A conversa em questão teria sido gravada no dia 7 de março, quando Michel Temer recebeu no Palácio do Jaburu o empresário Joesley Batista, dono da JBS, maior produtora e processadora de carnes do mundo.

Joesley, que também é investigado na Operação Lava Jato, teria feito um desabafo sobre as propinas que precisa pagar ao ex-deputado Eduardo Cunha para que ele, já preso, se mantenha em silêncio.

Segundo a gravação apresentada pela PGR, Temer haveria escutado os problemas de Joesley, apoiando-o, ao invés de denunciá-lo.

A defesa de Michel Temer alega, por sua vez, que a gravação foi manipulada através de uma edição com "mais de 50 cortes".
 

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.