Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 19/08 15h00 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/08 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Polícia da Espanha encontra 120 botijões de gás para "um ou vários atentados" em Barcelona
Brasil

STF revela acusações contra Temer

media Temer: investigado por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução da justiça. REUTERS/Ueslei Marcelino/File Photo

A Procuradoria-geral da República (PGR) acusou o presidente Michel Temer de tentar deter, juntamente com o senador suspenso Aécio Neves, o avanço da operação "Lava Jato" sobre o esquema de propinas na Petrobras, em denúncia enviada ao Supremo Tribunal Federal e revelada nesta sexta-feira (19).

Segundo o documento, Temer teria agido em coordenação com Aécio Neves, candidato presidencial em 2014, que nesta quinta-feira (18) foi suspenso tanto de seu mandato no Senado como da presidência do PSDB.

"Verifica-se que Aécio Neves, em articulação, dentre outros, com o presidente Michel Temer, tem buscado impedir que as investigações da Lava Jato avancem, seja por meio de medidas legislativas, seja por meio do controle de indicação de delegados de polícia que conduzirão os inquéritos", destaca o texto da denúncia, ao qual a AFP teve acesso.

"Desta forma, vislumbra-se também a possível prática de crime de obstrução da Justiça", concluiu o documento da PGR.

Delações premiadas da JBS

O Brasil vive em estado de comoção política desde a noite de quarta-feira (17), quando o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, revelou o conteúdo de uma conversa gravada entre Temer e um dos donos da JBS, Joesley Batista, em que o presidente parece concordar com o pagamento de propina para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha, que cumpre pena de 15 anos de prisão por corrupção.

Temer foi criticado por não ter denunciado Batista por suas confidências ilegais.

O chefe de Estado de 76 anos rejeitou taxativamente estas acusações, assim como os pedidos para que apresente sua renúncia.

O STF abriu na quinta-feira uma investigação sobre o caso. O pedido da procuradoria, divulgado nesta sexta-feira, pode acentuar consideravelmente a pressão sobre Temer.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.