Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Amor de senhora de escravos e abolicionista inspira livro de Eneida Queiroz

Amor de senhora de escravos e abolicionista inspira livro de Eneida Queiroz
 
A historiadora Eneida Queiroz com o seu livro "A Mulher e a Casa" RFI

A historiadora e escritora Eneida Queiroz trabalha no Instituto de Museus Brasileiros (IBRAM). No dia 30 de maio, na Casa da América Latina, em Paris, ela lança o seu livro "A Mulher e a Casa", sobre a história de um amor improvável, em pleno século XIX: o de uma senhora de escravos, Eufrásia Teixeira Leite, e Joaquim Nabuco, um dos grandes abolicionistas brasileiros.

 

 Por que Eneida Queiroz decidiu contar a história desse romance que se passa em Vassouras, nas serras do Rio de Janeiro? Tudo começou quando o IBRAM, onde ela trabalha, pediu que escrevesse um texto sobre o Museu Casa da Hera que, no passado, foi a residência de Eufrásia Teixeira Leite. "Pesquisando sobre ela, descobri que foi uma grande financista, uma mulher importante para a época, a primeira a entrar para a Bolsa de Valores. Ela  conseguiu multiplicar dez vezes a fortuna que o pai lhe deixou, era rica e morreu milionária. E no meio desse processo, descobri que foi noiva de Joaquim Nabuco, um famoso abolicionista", conta Eneida, ressaltando que achou surpreendente o fato que, segundo se dizia, ela teria pedido para que, quando morresse, seu caixão fosse forrado com as cartas que Nabuco escreveu para ela. "Isso me chocou demais, e eu me disse: preciso saber quem foi esse casal, preciso contar essa história".

A história do Brasil através de uma história de amor

Ao longo do romance, pode-se entender a luta pela abolição da escravatura e o período imperial brasileiro. "Meu grande interesse ao escrever o livro, era escrever um romance que contasse a história do Brasil de uma forma mais lúdica, sem que fosse um texto didático. Então, as pessoas se aproximam dessa parte da história do Brasil por um romance, por uma história de amor verídica. Joaquim Nabuco foi um deputado que lutou muito pela abolição da escravatura".

O noivado de Eufrásia e Nabuco foi marcado por uma intensa correspondência e a razão dos dois não terem se casado desperta muita curiosidade. "Existem muitas discussões sobre o motivo do noivado não ter dado certo. Uma delas é o contexto familiar. Ela vinha de uma família conservadora, com muitos barões, todos escravagistas. Ele vinha de uma família de membros do Partido Liberal, o pai foi senador, ministro, o próprio Nabuco foi deputado, seu avô também, e eles eram abolicionistas", explica a historiadora, afirmando que a diferença de renda também pode ter sido um elemento importante, pois Eufrásia vinha de uma família riquíssima, e ele, era apenas "bem de vida".

Eneida Queiroz também reflete que, além desses fatores materiais, havia também as personalidades fortes de cada um deles. "Eufrásia era uma mulher diferente, fora do seu tempo, e naquela época as mulheres abaixavam a cabeça para o marido, inclusive, a infidelidade do homem era aceita. Um dos primeiros rompimentos que tiveram foi uma provável infidelidade dele quando eram noivos, e isso foi provado em uma correspondência entre ele e seu pai, que respondeu a Nabuco que "suas infidelidades fizeram com que ela rompesse com você".

Em resumo, podemos dizer que Eufrásia Teixeira Leite foi uma das primeiras feministas brasileiras, inclusive conquistando a independência financeira e multiplicando sua fortuna, numa época em que as mulheres não trabalhavam.

A França também fez parte da vida da heroína, que viveu 50 anos em Paris em um palacete perto do Arco do Triunfo, vestia-se com o criador de alta costura Charles Worth e foi retratada pelo pintor Carolus-Duran.

Toda a fortuna de Eufrásia, que não casou nem teve filhos, foi doada a instituições de caridade em Vassouras e à construção de duas escolas e um hospital na cidade.

 

 

 

 

 

 


Sobre o mesmo assunto

  • RFI CONVIDA

    Domício Proença Filho, sobre Capitu: “É muito difícil ser mulher”

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Saga de avô libanês inspira romance do paulista Marcelo Maluf

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Muito antes de Woody Allen, escritor brasileiro voltou no tempo em Paris

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    "Primavera literária brasileira" promove escritores contemporâneos na Europa

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    “Redigir em português me faz escrever coisas bem diferentes”, diz italiano

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.