Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 26/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 25/09 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Ex-ministro do Equador é detido por suposto suborno da Odebrecht

media Acusados de envolvimento no escândalo de corrupção da Odebrecht começam a ser detidos no Equador. REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

 Alecksey Mosquera, ex-ministro da Energia da Equador, foi detido com mais uma pessoa como parte da investigação sobre supostos subornos que a empreiteira brasileira Odebrecht teria pago a funcionários do governo equatoriano. A prisão foi confirmada neste sábado (22) pelo procurador-geral do país, Galo Chiriboga.

O ex-ministro e o empresário Marcelo E. são os primeiros detidos no Equador como parte do inquérito que tentae sclarecer o escândalo de corrupção da Odebrecht no país. Alecksey Mosquera cuidou da pasta da Energia entre 2007 e 2009, como membro do governo do atual presidente socialista Rafael Correa, que deixa o cargo 24 de maio, após 10 anos no poder.

A Procuradoria abriu uma investigação no país após a revelação do Departamento de Justiça dos Estados Unidos de que a Odebrecht teria pago, entre 2007 e 2016, o total de US$ 33,5 milhões a funcionários equatorianos. A justiça informou que a audiência para apresentar as acusações contra os dois detidos deve acontecer ainda neste sábado.

Desde que a investigação sobre o escândalo começou, a justiça equatoriana bloqueou pagamentos de US$ 40 milhões a Odebrecht para garantir uma indenização ao Estado. As autoridades também proibiram temporariamente que as instituições estatais assinem contratos com a empresa brasileira.

O Brasil entregará ao Equador dados sobre os supostos subornos a partir de junho, após o fim do prazo do sigilo judicial com a Odebrecht, de acordo com o procurador-geral.

Vários países da América Latina foram envovidos no escândalo de corrupção com a construtora brasileira.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.