Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 25/06 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/06 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 25/06 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/06 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 25/06 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/06 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/06 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/06 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Carro fere seis na calçada em Newcastle em festa do fim do Ramadã
Brasil

UE suspende importação de produtos de frigoríficos da operação Carne Fraca

media 'Escândalo da carne' faz União Europeia pedir reunião de emergência DANIEL MIHAILESCU / AFP

A Comissão Europeia pediu nesta segunda-feira (20) ao Brasil que retire imediatamente da lista de estabelecimentos autorizados a exportar para a União Europeia os frigoríficos envolvidos no escândalo da carne estragada revelado pela "Operação Carne Fraca", da Polícia Federal.

A medida foi anunciada pelo porta-voz da Comissão Europeia, Enrico Brivio. "Pedimos ao Brasil que elimine de imediato todos os estabelecimentos envolvidos no escândalo da lista aprovada pela UE", declarou. A UE também pediu ao Brasil que suspenda "a certificação desses estabelecimentos durante o processo de exclusão da lista", acrescentou. De concreto, dos 21 frigoríficos envolvidos no escândalo da "Carne Fraca", quatro tinham permissão de exportar para os 28 países do bloco europeu.

A PF brasileira revelou na sexta-feira (17) o esquema de pagamento de propinas desses frigoríficos a inspetores sanitários para autorizar a venda de alimentos não apropriados para o consumo. Mais de 30 pessoas foram presas até o momento, três frigoríficos foram fechados temporariamente e 21 se encontram sob investigação. Entre os suspeitos, figuram empresas como JBS, BFR e Peccin, pesos pesados do setor do país, o primeiro exportador mundial de carne bovina e avícola.

Nesta segunda-feira, o principal sindicato de agricultores europeus, Copa-Cogeca, também pediu que sejam garantidas as normas de segurança da União Europeia nas negociações em curso com os países do Mercosul, ao expressar sua preocupação com o escândalo da carne brasileira. Em um comunicado, o secretário-geral da organização, Pekka Pesonen, declarou que o bloco sul-americano não tem os mesmos padrões de segurança que a União Europeia, dando como exemplo "o caso do Brasil", e pediu a Bruxelas que alcance "acordos justos e equilibrados sobre a agricultura em qualquer acordo comercial" para não comprometer os padrões de segurança europeus.

A questão da carne é um dos temas sensíveis nas negociações entre o bloco europeu, por um lado, e o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai), do outro, para alcançar um acordo comercial cujas primeiras conversações remontam a 1999 e foram retomadas em 2010, depois de um intervalo de vários anos. Alguns países da UE, entre eles a França, já expressaram suas reservas pelo impacto no setor agrícola deste acordo comercial.

(Com informações da AFP Brasil)

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.