Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 18/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 18/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 18/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 17/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Ponte Guiana-Brasil é “inaugurada” sem ministra francesa

media A ponte binacional sobre o rio Oiapoque está pronta desde 2011, mas o Brasil não concluiu as obras da alfândega. Foto: Wenndel Paixão/Governo do Amapá

O governador do Amapá, Antônio Waldéz Góes, e o governador da Guiana Francesa, Martin Jaeger, "abriram" neste sábado (18), em uma cerimônia simbólica, a ponte binacional que une o departamento francês ao Brasil. Mas a ministra francesa do Meio Ambiente, Ségolène Royal, que tinha anunciado sua presença no ato, voltou à França antes da hora.

Ségolène Royal retornou à França na noite de sexta-feira (17). Ela alegou que tinha assuntos urgentes para tratar em Paris, depois de perceber que o governo federal brasileiro não havia enviado nenhum ministro à cerimônia.

Ségolène passou três dias na Guiana Francesa, mas sua agenda foi perturbada por manifestações de ativistas que protestaram contra a demora na assinatura do "pacto do futuro", um programa de investimentos de € 2 bilhões prometido pelo presidente François Hollande em 2013. O mandato de Hollande termina em maio e a população local ainda não viu a cor do dinheiro.

Ontem, enquanto Ségolène participava de uma conferência sindical em Caiena, a sala foi invadida por homens encapuzados do grupo "Os 500 Irmãos". O movimento foi criado recentemente por cidadãos franceses insatisfeitos com a falta de segurança no departamento ultramarino. Não houve violência, mas Ségolène decidiu antecipar seu retorno a Paris.

Inauguração definitiva só em setembro

A cerimônia simbólica de inauguração da ponte Brasil-Guiana sobre o rio Oiapoque teve direito a fita de inauguração, foto oficial, pronunciamento de autoridades, coquetel e apresentação de danças típicas indígenas e crioulas. Mas chamou a a atenção o fato de nenhum ministro do governo federal integrar a lista de presentes, apesar do deslocamento da comitiva francesa.

O governo brasileiro ficou incomodado com a pressão dos franceses para a abertura da ponte, mesmo sem a finalização das obras da alfândega do lado do Brasil – principal motivo para o atraso da inauguração. A ponte está pronta há seis anos, e o governo francês afirma que cansou de esperar.

A abertura da ponte será apenas parcial. Num primeiro momento, só pedestres e carros de passeio poderão utilizá-la. A expectativa é de que ainda haja uma inauguração “definitiva”, com as presenças dos presidentes do Brasil e da França. Ela deve ocorrer no segundo semestre, dependendo das relações diplomáticas entre os países.

A licença ambiental emitida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é válida por um período de dez anos e pode ser renovada.

Com informações de Luciana Marques

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.