Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/07 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 27/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/07 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 27/07 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 27/07 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 27/07 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 27/07 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 27/07 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Venezuela - Manifestação durante greve contra Maduro registra um morto

“Médicos da esposa de Lula despejam sua raiva no Whatsapp”, destaca revista do Le Monde

“Médicos da esposa de Lula despejam sua raiva no Whatsapp”, destaca revista do Le Monde
 
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se despediu de sua esposa e companheira de luta Marisa Letícia, no último sábado (4). REUTERS/Nacho Doce

A última edição da revista M, publicação do jornal Le Monde, traz, entre os fatos que marcaram a última semana, o clima adverso que tomou conta do Brasil, após o anúncio da morte da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva, na última sexta-feira (3). Nas redes sociais, partidários da direita festejaram o anúncio da morte da petista. Em frente ao Hospital Sírio libanês, em São Paulo, onde Marisa estava internada, motoristas realizaram buzinaços para comemorar o falecimento.

Com o título "Médicos da esposa de Lula despejam sua raiva no Whatsapp", Claire Gatinois, a correspondente do jornal Le Monde no Brasil, ressalta que nem na própria equipe médica de Marisa houve "capacidade de distanciamento" do fervoroso debate político entre os partidários da esquerda e da direita no país.

A matéria da revista M relata que informações sigilosas sobre o estado de saúde da ex-primeira-dama vazaram em um grupo de ex-colegas de faculdade de medicina no Whatsapp. "Uma médica pouco cuidadosa sobre o sigilo do diagnóstico se apressou em divulgar a notícia sobre a piora do estado de saúde de Marisa", escreve a correspondente. De fato, a reumatologista Gabriela Munhoz confirmou em um grupo deste aplicativo de conversas, no dia 24 de janeiro, que Marisa estava no pronto-socorro do Hospital Sírio-Libanês com um grave diagnóstico de Acidente Vascular Cerebral (AVC) e prestes a ser levada para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Outro médico do mesmo grupo do Whatsapp comentou o tratamento dado pelos médicos do Hospital Sírio-Libanês à ex-primeira-dama. "O conteúdo é de estremecer", avisa a correspondente, que reproduz a mensagem do neurocirurgião Richam Faissal Ellakkis, da Unimed da cidade de São Roque: "Esses FDP vão embolizar ainda por cima. Tem que romper no procedimento. Daí já abre pupila. E o capeta abraça ela", escreveu o médico, em relação ao procedimento para provocar o fechamento de um vaso sanguíneo para diminuir o fluxo de sangue no cérebro. Claire Gatinois indica que o termo "abrir a pupila" é uma referência clara ao desejo da morte de Marisa.

A matéria também informa que a Unimed de São Roque rescindiu o contrato do neurocirurgião, que, diz o texto, "esqueceu o Juramento de Hipócrates", código de ética dos médicos. Já a reumatologista também foi demitida pelo Hospital Sírio-Libanês por divulgação de informações sigilosas.

"Marisa era uma mulher simples. Ela sempre sofreu com as hostilidades de parte da burguesia. O Brasil é um país onde alguns cultivam a humilhação do pobre e a falta de respeito com a classe popular", explicou a psicanalista Noemi Araújo, em entrevista ao Le Monde.

Uma trégua na guerra "que dilacera o Brasil"

Na matéria, a correspondente também elogia a atitude do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que foi ao hospital Sírio-Libanês visitar Lula, após o anúncio sobre a morte cerebral de Marisa, na última quinta-feira (2). A jornalista ressalta que FHC pertence ao PSDB, partido rival do PT.

A oposição entre as duas legendas se tornou, segundo a matéria, "um confronto maniqueísta onde se opõem representantes autointitulados do povo e dos ricos". Para a revista M, a conduta de FHC é "uma trégua na guerra que dilacera o Brasil depois da polêmica destituição da presidente Dilma Rousseff em agosto de 2016".


Sobre o mesmo assunto

  • Brasil/Marisa Letícia

    “Perseguição” foi fatal para Marisa Letícia, diz Lula em velório

    Saiba mais

  • Brasil/Marisa Letícia

    Corpo de Marisa Letícia é velado em São Bernardo do Campo

    Saiba mais

  • Morre em São Paulo Marisa Letícia, mulher de Lula

    Saiba mais

  • Estresse e tensão política provocaram morte de Marisa Letícia, diz biógrafa de Lula

    Saiba mais

  • Política

    Mulher de Lula, Marisa Letícia tem morte cerebral

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.