Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Brasil melhora combate à corrupção, mas cai em ranking internacional

media O mapa da corrupção no mundo em 2016, divulgado nesta quarta-feira 25 de janeiro de 2017, pela Transparência Internacional. transparency International

A ONG Transparência Internacional divulgou nesta quarta-feira (25) seu relatório anual de 2016 sobre a percepção da corrupção no mundo. No ranking de 176 nações pesquisadas, o Brasil aparece na posição 79, empatado com Belarus, China e Índia.

A pontuação do ranking vai de 0, considerado extremamente corrupto, a 100, apontado como muito transparente. O estudo sobre a percepção que a população tem da corrupção entre servidores públicos e políticos é baseado nos dados coletados por 12 organizações internacionais, como o Banco Mundial, o Banco Africano de Desenvolvimento ou o Fórum Econômico Mundial. Em ano de impeachment e de recorde de fases da Operação Lava Jato, o Brasil obteve 40 pontos, dois a mais do que em 2015. Apesar dessa ligeira melhora na pontuação, o país caiu três posições em comparação a 2015, devido ao aumento do número de países envolvidos no estudo, 176 contra 168 há dois anos.

A Transparência Internacional aponta que a posição brasileira no ranking caiu "significativamente" nos últimos anos devido aos escândalos de corrupção que envolvem políticos e empresários. O coordenador do programa Brasil da ONG, Bruno Brandão, entrevistado pela Folha de S.Paulo, avalia que a percepção da corrupção no Brasil segue estagnada porque com o impeachment "saiu um governo manchado de corrupção e entrou o do presidente Michel Temer (PMDB)] que já mostrou falta de integridade na nomeação de seus cargos". Apesar disso, o país mostra que é possível responsabilizar os envolvidos nos escândalos que eram até então considerados intocáveis, aponta o estudo.

Em relação ao continente americano, Jessica Ebrard, da Transparência Internacional, ressalta que não apenas más notícias marcaram o ano. Ela lembra que do Panamá Papers, em abril, até a multa recorde de US$ 3,5 milhões paga pela Odebrecht em dezembro nos Estados Unidos, "2016 foi um bom ano na luta contra a corrupção no continente".

Campeões da transparência internacional

No ranking de 2016, Nova Zelândia e Dinamarca foram considerados os países mais transparentes, com 90 pontos. Na outra ponta, está a Somália, com 10. A França está na 23ª posição, com 69 pontos, e os Estados Unidos no 18° lugar.

Ao divulgar o relatório, a Transparência Internacional denuncia "um círculo vicioso, formado pelas desiguladades sociais e pela corrupção que se alimentam mutuamente e provocam a alta do populismo". Esse círculo tem que ser combatido. A afirmação da ONG, baseada em Berlim, é um recado indireto ao novo presidente americano Donald Trump. "O populismo é um péssimo remédio. Os países que escolhem dirigentes autocratas caem no ranking mundial", afirmou à AFP o diretor de pesquisa da Transparência Internacional, Finn Heinrich.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.