Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Peru quer que Odebrecht venda projetos e saia do país

media A Odebrecht decidiu se retirar de um dos maiores projetos na área de transporte de gás do Peru. Sede da Odebrecht, em São Paulo

O presidente peruano, Pedro Pablo Kuczynski, disse nesta terça-feira (24) que a Odebrecht, que reconheceu o pagamento de subornos que somam US$ 29 milhões em troca de licitações de obras públicas entre 2005 e 2014, deve vender seus projetos e deixar o Peru.

"A Odebrecht terá que vender seus projetos no Peru. Alguns deles são muito bons em fornecimento de eletricidade, rodovias, mas lamentavelmente há esse problema da corrupção e a Odebrecht tem que ir embora, acabou", disse Kuczynski à rádio RPP.

A construtora terá de chegar a um acordo com o Ministério Público do Peru, que está investigando os casos de subornos das empresas brasileiras que operam no país, informou.

O presidente considerou "muito baixo" os 30 milhões de soles (aproximadamente US$ 10 milhões) que a empresa adiantou pela devolução dos ganhos ilícitos obtidos, em comparação aos US$ 2,5 bilhões que terá de pagar como multa nos Estados Unidos, onde houve poucas obras.

"Multinha" vergonhosa, diz presidente

"O país onde havia as maiores construções, além do Brasil, era o Peru, e nossa multinha é de 30 milhões de soles, uns US$ 10 milhões? Que vergonha", acrescentou. O mandatário afirmou que o MP verificará se a Odebrecht pagará o que deve e atuará sobre os ativos da empresa no Peru.

O governo peruano resolveu terminar a concessão de um gasoduto avaliado em US$ 7 bilhões, que havia entregue a um consórcio liderado pela Odebrecht, informou nesta segunda-feira (23) o ministro de Minas e Energia, Gonzalo Tamayo.

Na madrugada de terça-feira, o presidente disse, por meio de sua conta no Twitter, ter ordenado a execução de uma punição de US$ 262 milhões ao consórcio por descumprimento do contrato sobre o Gasoduto do Sul.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.