Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Chef brasileiro sai do Complexo da Maré para cozinhar em Davos

media Luis Freire levou uma pitada do tempero brasileiro para os poderosos reunidos em Davos Divulgação

O jovem chef brasileiro Luis Freire deixou o Complexo da Maré, no Rio de Janeiro, para servir as personalidades mais poderosas do mundo durante o Fórum Econômico de Davos, na Suíça. O carioca está na Europa junto com o chef David Hertz, um dos fundadores do projeto social Gastromotiva, que luta contra o desperdício de comida.

Durante os últimos três dias, os grandes nomes da economia mundial puderam, entre uma reunião com ministros e um discuros do presidente da China, Xi Jinping, saborear o tempero brasileiro. Pilotando os fogões, estavam os chefs David Hertz e Luis Freire, do Gastromotiva, que participa pela segunda vez do Fórum Econômico Mundial. “É muito bom cozinhar para pessoas que estão buscando melhorar o mundo. Para nós, que combatemos o desperdício, estar em Davos é muito legal”, comenta Freire, em alusão ao objetivo do projeto social.

Foram três dias de maratona culinária, cozinhando para 300 pessoas em cada refeição. “No primeiro dia servimos uma feijoada, no segundo uma sopa de lentilha ao curry e, no último dia, fizemos uma moqueca vegetariana”, relata Freire, em sua primeira viagem internacional. Além da barreira da língua, o chef de 25 anos conta que a maior dificuldade foi lidar com as condições climáticas. “No Rio faz 40° e aqui está fazendo -20°”, conta. “Mas o resto consegui tirar de letra”, conta o chef.

Entre os convidados, participaram dos jantares e almoços do Gastromotiva diretores de grandes empresas, como a InBev, celebridades como o ator Forest Whitaker, ou ainda políticos como o ministro da Educação da Argentina, Esteban Bullrich. “Todos adoraram a comida brasileira. Recebemos muitos elogios. Eles amaram a moqueca! ”, se orgulha.

Nascido na favela Nova Holanda, Freire começou a cozinhar em 2015, após integrar o Gastromotiva, um projeto social fundado em 2006, que ensina gastronomia a jovens carentes, sempre com a preocupação de lutar contra o desperdício. “Fiz um curso durante três meses e depois fiquei trabalhando como voluntário durante um ano e meio, antes de conseguir uma bolsa para fazer faculdade de gastronomia”, conta. “Hoje eu tenho a oportunidade de fazer parte desse movimento social”.

O Fórum Econômico Mundial termina nesta sexta-feira (20), mas Freire fica na Suíça mais alguns dias, pois foi convidado para trabalhar durante duas semanas em um hotel no país europeu. Mas já tem planos para sua volta ao Brasil, após a estadia nos Alpes. “O principal foco aqui em Davos é ajudar a mudar. Então levo na bagagem a vontade de fazer as pessoas mudarem e entenderem a importância dos alimentos”.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.