Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Brasil é o quarto país com maior número de jornalistas assassinados

media Brasil é o quarto país mais perigoso do mundo para jornalistas. Eddie Gerald / Getty Images

Com sete jornalistas assassinados no período de 2014-2015, o Brasil é o quarto país mais perigoso do mundo para a profissão. A América Latina, com 51 repórteres mortos no período, é a segunda região mais perigosa, ficando atrás dos países árabes, segundo informe da Unesco divulgado nesta quarta-feira (2).

Um total de 115 jornalistas morreram no mundo todo, mais da metade (78) em países árabes, principalmente em conflitos na Síria, Iraque, Iêmen e Líbia. “Os meios e a liberdade de expressão estão em estado de sítio”, adverte a Unesco, em relatório publicado por ocasião da Jornada Internacional do fim da impunidade dos crimes contra os jornalistas.

A França, com o ataque contra a redação do semanário satírico Charlie Hebdo (oito jornalistas mortos), fica em terceira posição, atrás da Síria (13 profissionais assassinados) e Iraque (dez).  A seguir, o ranking segue com o Brasil, México e Sudão do Sul, com sete jornalistas mortos durante exercício da profissão. Já na Índia, Líbia e Filipinas são as próximas da lista, com seis repórteres assassinados em cada país.

Desde 2006, ano em que a Unesco começou a publicar o relatório a cada dois anos, a instituição registrou a morte de 827 jornalistas, ou seja, uma morte a cada cinco dias. A televisão é o meio mais afetado, com 35 mortos em 2014 e também em 2015. Em 2015, na Síria, 21 jornalistas ligados de sites na internet foram assassinados.

Impunidade em 92% dos casos

A Unesco lembra que, apesar da comoção que provoca a morte de um correspondente estrangeiro, cerca de 95% dos profissionais morrem em seu próprio país.

Os ataques contra jornalistas seguem globalmente impunes em 92% dos casos e menos de um caso entre dez é investigado por um tribunal nacional, lembra a agência da ONU, que lamenta que “isso deduz que, aconteça o que acontecer, não há justiça”.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.