Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Índia sedia cúpula dos Brics em momento econômico delicado para o bloco

media A 8ª cúpula dos Brics acontece neste sábado (15) e domingo (16), em Goa, na Índia. REUTERS/Danish Siddiqui

Começa neste sábado (15) em Goa, na Índia, a cúpula anual dos Brics. O encontro de dois dias acontece em um momento economicamente delicado e de perda de influência do grupo composto pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. A delegação brasileira, liderada pelo presidente Michel Temer, já está na Índia.

Das potências emergentes que integram o Brics, apenas a anfitriã Índia apresenta bons resultados econômicos e deve tentar redinamizar o grupo. Segundo projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI), a economia indiana registrará em 2016/2017 uma expansão de 7,6%, nível equivalente ao exercício anual anterior. Rússia e Brasil estão em recessão, uma situação que ameaça a África do Sul. Já o crescimento da China, motor da economia mundial, desacelera.

Os países que integram o Brics representam juntos 53% da população mundial e US$ 16 trilhões de PIB. O grupo foi criado em 2011 para exercer uma influência econômica e política conjunta e contrabalançar a hegemonia das potências ocidentais na gestão dos assuntos globais. Apesar do momento econômico difícil, os Brics ainda representam uma plataforma estratégica útil para as potências emergentes. A Índia, por exemplo, vai pressionar neste fim de semana pela condenação do terrorismo. O objetivo do governo do primeiro-ministro Narendra Modi é pressionar o vizinho Paquistão, que apoia grupos jihadistas anti-indianos.

Investimentos devem dominar reunião

O debate sobre investimentos deve dominar a 8ª cúpula em Goa. Os dirigentes do bloco devem discutir "as perspectivas de crescimento mundial, o papel do grupo e sua contribuição para este crescimento", informou Amar Sinha, do ministério de Relações Exteriores indiano. O aquecimento climático e a segurança regional, também estão na ordem do dia, afirmou.

A Rússia também deve abordar nos debates a situação da Síria, cujo regime Moscou apoia e ajuda em seu combate contra os rebeldes e extremistas, apesar das críticas e denúncias da comunidade internacional. "O terrorismo internacional e o processo de paz na Síria" serão discutidos, indicaram os serviços do presidente russo, Vladimir Putin, em um comunicado.

À margem da cúpula estão previstos encontros bilaterais para conversas mais substanciais. O nacionalista hindu Narendra Modi receberá o presidente chinês Xi Jinping e o russo Vladimir Putin.

Objetivo do Brasil: reforçar intercâmbios comerciais

Michel Temer aproveitará o evento para tentar reforçar os intercâmbios comerciais brasileiros com o resto do grupo. Ao chegar a Goa na madrugada deste sábado, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, José Serra, disse esperar que o comércio bilateral com a Índia, hoje de US$ 7,9 bilhões, seja triplicado nos próximos anos, com o estreitamento da relação entre os dois países após esse encontro.

Antes do jantar oferecido pelo primeiro-ministro indiano aos outros líderes do grupo, Temer almoça com representantes de sete empresas brasileiras que vão participar da cúpula empresarial dos Brics.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.