Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Imprensa internacional analisa prós e contras da exploração do pré-sal por estrangeiros

media Empresas estrangeiras poderão explorar o campos de pré-sal na costa brasileira sem a partipação da Petrobras Flickr/minplanpac

A decisão da Câmara dos Deputados do Brasil de autorizar companhias estrangeiras a participarem sozinhas da exploração do projeto do pré-sal repercutiu imediatamente na imprensa internacional. Alguns jornais dizem que a notícia já era esperada, enquanto outros estimam que a situação econômica do país é uma das responsáveis pela medida.

O diário econômico francêsLes Echos traz em sua versão online uma reportagem na qual explica todo o processo que terminou com o voto, na quarta-feira (5), do texto do projeto de lei que desobriga a Petrobras de participar dos exploração dos campos do pré-sal. O jornal começa o texto dizendo que essa foi uma “decisão histórica”, pois o assunto é alvo de debates intensos. “Vários deputados do Partido dos Trabalhadores se opunham, temendo que os recursos vitais brasileiras passassem a ser controlados por estrangeiros (...) Mas a situação econômica do país, sob o peso de seu déficit orçamentário, calou essa oposição”, analisa Les Echos.

O diário The Wall Street Journal explica que o voto acontece após meses de debate em um Congresso profundamente dividido. “Os defensores da mudança dizem que o projeto pode atrair capital novo vindo de empresas petrolíferas estrangeiras, em um momento em que a Petrobras está precisando de dinheiro e está com sua capacidade de desenvolver grandes projetos limitada”, comenta o jornal, lembrando a dívida astronômica da estatal no mercado global de petróleo. Por outro lado, os parlamentares da oposição afirmam que limitar a presença da Petrobras, “símbolo de orgulho do país”, no pré-sal, é como “fazer uma doação do patrimônio nacional para capitalistas estrangeiros”.

O site da revista Forbes explica que a decisão já era esperada, e que a decisão abre caminho para novos investimentos na “Petrobras, que está atravessando uma das piores crises de sua história”. Para a publicação, a medida vai fazer com que a estatal “consiga finalmente economizar um pouco de dinheiro”. Além disso, segundo a revista, a decisão seria uma boa notícia para a imagem da empresa, que poderia, em pouco tempo, sair da categoria “especulativa” na qual se encontra.

Será que as empresas estrangeiras vão se interessar pelo pré-sal?

Les Echos vai além dos fatos e questiona se as companhias estrangeiras estarão dispostas a fazer grandes investimentos no Brasil, em um momento em que o preço do barril do petróleo despenca e os força a cortar seus gastos. Mas Anne Feitz, que assina o texto, pondera sua própria indagação, lembrando que “o pré-sal brasileiro faz parte das raras novas zonas no mundo onde o custo da produção pode ser limitado, apesar da complexidade das operações” para a extração, e que “essas empresas deveriam considerar com atenção essa hipótese”. Mas tudo vai depender dos campos de petróleo propostos e das regras impostas, comenta a jornalista.

La Tribune, outro jornal econômico influente na França, lembra que em julho passado a Petrobras já havia anunciado a venda de seu primeiro campo do pré-sal para a empresa norueguesa Statoil, por US$ 2,5 bilhões, em um negócio que já tinha como objetivo “pagar sua dívida e financiar investimentos”. O diário ressalta ainda que “o presidente conservador Michel Temer, que chegou ao poder após a destituição de Dilma Rousseff, conta com as privatizações e os importantes cortes orçamentários para relançar a economia instável do país”.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.