Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Nenhum caso de zika foi registrado na Olimpíada do Rio, diz OMS

media O mosquito Aedes aegypti, ou mosquito tigre, transmissor da dengue e do chicungunha, responsável pela propagação du vírus da zika. REUTERS/Paulo Whitaker

Nenhum caso de contaminação pelo vírus da zika foi detectado entre os atletas, bem como entre todos os participantes da Olimpíada do Rio de Janeiro, afirmou na sexta-feira (2) a Organização Mundial da Saúde (OMS). O Brasil continua a ser, no entanto, o país mais afetado pela epidemia em todo o mundo.

"O Brasil afirmou que nenhum caso de atleta ou participante infectado com zika foi registrado durante os Jogos Olímpicos, assim como desde que o evento foi finalizado", afirmou à imprensa o presidente da Comissão de Emergência do Zika da OMS, David Heymann. "Pode ser que alguns casos apareçam agora ou depois dos Jogos Paralímpicos", disse o diretor do Programa de Gestão de Urgências Sanitárias da organização, Peter Salama.

Salama explicou, no entanto, que mesmo no caso de aparecerem registros de contaminação pelo zika após os Jogos Olímpicos, os especialistas da entidade não acreditam que o evento no Brasil tenha acelerado a transmissão.

Sintomas e epidemia

Benigno para a maioria das pessoas, o vírus, que é transmitido por mosquitos ou através de relação sexual, pode causar o que a OMS classifica de "síndrome congênita de infecção pelo vírus da zika”, que inclui complicações neurológicas e anormalidades graves no desenvolvimento do cérebro de bebês, no caso de contaminação por gestantes.

Além de microcefalia (subdesenvolvimento do cérebro), os especialistas têm observado outros eventos tais como desproporções craniofaciais, espasticidade (problemas musculares), convulsões, irritabilidade e mau funcionamento do cérebro manifestado por problemas na alimentação e anormalidades oculares. Em fevereiro, a OMS declarou que este surto é uma "emergência de saúde pública de abrangência internacional".

Nesta sexta-feira (2), a agência da ONU anunciou que manteve o estado de emergência, especialmente por causa da extensão da epidemia mundial. Cerca de 70 países e territórios registraram a presença do vírus da Zika desde 2015, segundo a OMS.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.