Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Canoísta Isaquias Queiroz perde o ouro mas bate recorde com três pódios

media Erlon de Souza Silva e Isaquias Queiroz Dos conquistaram a prata na Lagoa Rodrigo de Freitas. REUTERS/Marcos Brindicci

O canoísta brasileiro Isaquias Queiroz, remando ao lado de Erlon de Souza, conquistou a medalha de prata nos Jogos Rio-2016, neste sábado (20), na Lagoa Rodrigo de Freitas, e se tornou o primeiro atleta do país a subir três vezes ao pódio em uma única Olimpíada.

Os brasileiros, campeões do mundo em Milão-2015 na prova, completaram a distância em 3 minutos 44 segundos e 819 milésimos, cruzando a linha de chegada do C2 1000 pouco atrás do mito alemão Sebastian Brendel e Jan Vandrey (3:43.912), que levaram o ouro.

O bronze ficou com o barco ucraniano, formado pela dupla Dmytro Ianchuk e Taras Mishchuk (3:45.949). Em sua primeira Olimpíada, Isaquias não cansa de escrever seu nome na história do esporte brasileiro.

A medalha de prata no C1 1000 m, prova em que também foi superado pelo alemão Brendel, foi também a primeira medalha do Brasil na história da canoagem velocidade. Dois dias depois, conquistou o bronze no C1 200 m.

Superando César Cielo e Gustavo Borges

Neste sábado, o baiano, ao lado do companheiro Erlon de Souza, queria buscar o ouro que faltava para completar a trinca olímpica, mas acabou com uma segunda prata no Rio-2016.

O ouro acabou não vindo, mas não impediu a Isaquias de entrar para a história do esporte ao se tornar o primeiro atleta do Brasil a conquistar três medalhas numa edição dos Jogos Olímpicos, superando os nadadores César Cielo (ouro e bronze em Pequim-2008) e Gustavo Borges (prata e bronze em Atlanta-1996).

 

 
O tempo de conexão expirou.