Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Acordo do Brexit recebe apoio preliminar do Parlamento britânico
Brasil

BHP Billiton registra prejuízo recorde, após tragédia de Mariana

media Bento Rodrigues, Município de Mariana, Minas Gerais, alguns dias após rompimento da barragem da Mineradora Samarco 19/11/15 Rogério Alves/TV Senado

A mineradora anglo-australiana BHP Billiton, controladora da Samarco junto com a Vale, divulgou nesta terça-feira (16) a maior perda financeira da história da companhia. Os prejuízos são associados à queda dos preços das matérias-primas e à repercussão da ruptura da barragem do Fundão de Mariana, administrada pela Samarco, em novembro de 2015.

O prejuízo registrado pela Billiton em 2015 chegou a US$ 6,39 bilhões. No exercício anterior, a companhia obteve um lucro líquido de US$ 1,91 bilhão. Em comunicado, o diretor-geral do grupo, Andrew Mackenzie, afirma que os 12 últimos meses foram muito duros para a indústria de minério, mas ele acredita na capacidade de resiliência do setor.

No Brasil, a Samarco, controlada em partes iguais pela BHP Billiton Brasil Ltda. e pela Vale S.A, ainda vai absorver em seus balanços multas ambientais de um total de R£ 430 milhões. A empresa ainda deve aplicar R$ 4,4 bilhões, até 2018, no fundo criado, em março desde ano, para a recuperação da bacia do rio Doce. Após essa data, a mineradora deve fazer aportes anuais de R$ 1,8 bilhão. O fundo de um total de R$ 20 bilhões, negociado entre a Samarco, a União e os governos de Minas Gerais e do Espírito Santo, visa recuperar a bacia do rio em 15 anos.

Logo após a tragédia, as ações da australiana BHP, uma das maiores mineiradoras do mundo, já haviam caído 3,6% na Bolsa de Sydney, registrando a cotação mais baixa em dez anos, e anunciando as dificuldades futuras.

Maior desastre socioambiental da história brasileira

O acidente ocorrido em 5 de novembro do ano passado deixou 19 mortos. Ele é considerado o maior desastre socioambiental da história brasileira e o maior do mundo, envolvendo barragens de rejeitos.

Além até das mortes e da destruição do vilarejo de Bento Gonçalves, soterrado pela lama, 40 bilhões de litros de rejeitos tóxicos atingiram a bacia do Rio Doce, até o oceano Atlântico, matando peixes e plantas. Especialistas acreditam que a natureza vai levar décadas para se recuperar e questionam o modelo econômico extrativista do setor de mineração.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.