Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 18/06 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/06 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 18/06 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/06 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/06 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/06 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/06 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/06 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Brasil deve ficar na “geladeira” da diplomacia europeia até novas eleições

media O novo ministro das Relações Exteriores, José Serra, tende a mudar rumos da diplomacia. REUTERS/Ueslei Marcelino

Seja qual for o rumo que o novo chanceler brasileiro, José Serra, dê à política exterior a partir de agora, a “intensidade e a qualidade” das relações diplomáticas com os países europeus deve baixar até as próximas eleições. A avaliação é de Jean-Jacques Kourliandsky, especialista em América Latina do think tank francês Institut de Relations Internationales et Stratégiques (IRIS).

“Há uma grande perplexidade em todos os países europeus e também preocupação”, afirma Kourliandsky. Para ele, “há a impressão de ter surgido um vazio” em um tradicional parceiro diplomático da Europa e que “é possível que haja um buraco de um ou dois anos na relação entre Europa e Brasil.”

Esta queda nas relações não deve se concretizar formalmente, mas se refletir no campo simbólico. “A qualidade do parceiro brasileiro baixou, na medida em que há dois presidentes, um deles alçado ao poder sem eleição, com uma legitimidade não tão forte”, afirma o cientista político, que é consultor para órgãos da administração pública francesa.

Jean-Jacques Kourliandsky Divulgação/IRIS

Negócios, setor privado e cooperações culturais ou universitárias não devem ser afetados. “Mas não consigo imaginar Temer sendo convidado ou recebendo visitas de países europeus, considerando as circunstâncias pelas quais chegou ao poder”, afirma Kourliandsky.

O acordo comercial entre União Europeia e Mercosul, no entanto, não deve ser afetado. Se ele se encontra atualmente em um profundo impasse, se deve muito mais à divisão entre os países europeus do que a qualquer contexto político brasileiro. Pelo menos 12 países, entre eles a França, resistem a chegar a um acordo no setor agrícola.

Guinada de José Serra

“Para começar uma relação sobre novas bases, é preciso esperar que o Brasil tenha um executivo e um parlamento totalmente legitimados pela via eleitoral, o que não é o caso por enquanto”, afirma Kourliandsky.

O pesquisador do IRIS avalia a diplomacia sob o Partido dos Trabalhadores como ambiciosa. Em entrevista ao jornal Le Monde, em 2010, chegou a classificá-la de “diplomacia imaginativa”. Para ele, o surgimento do nome de José Serra para comandar a pasta de Relações Exteriores não significa necessariamente um retorno à política do governo de Fernando Henrique Cardoso.

“O fato de Serra ser ministro parece confirmar a hipótese de uma mudança no Itamaraty, mas há uma recomposição de forças no parlamento, com partidos pequenos. Não é a mesma maioria que tinha no governo do PSDB”, explica o pesquisador. “A política do presidente Cardoso tinha a coerência, a legitimidade e o carisma que Temer não tem. Os pesos respectivos de um e de outro são completamente diferentes”, conclui.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.