Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Bloqueio do WhatsApp irritou os brasileiros, diz jornal francês

media Logotipo do WhatsApp em uma telefone celular no Rio de Janeiro. REUTERS/Nacho Doce

O bloqueio do WhatsApp no Brasil ganhou destaque nesta quarta-feira (4) no jornal francês Les Echos que comparou o caso à queda de braço entre a Apple e o FBI, a polícia federal americana.

Foi um “verdadeiro escândalo”, escreve o diário francês sobre a decisão de cortar o acesso de 100 milhões de brasileiros usuários do serviço de mensagens instantâneas até a noite de ontem, quando a justiça liberou novamente o aplicativo.

Les Echos explicou que a decisão surgiu de um pedido da polícia para investigar contatos feitos pelo WhatsApp por traficantes de drogas da região Nordeste. A empresa se negou alegando que o conteúdo é criptografado.

O diretor de comunicação da empresa desembarcou no Brasil para explicar que o aplicativo não estoca as mensagens dos usuários. Em represália, o grupo Anonymous Brasil atacou os sites da justiça do estado de Sergipe, na origem da suspensão do WhatsApp.

Segundo a reportagem assinada pelo correspondente Thierry Ogier, o caso lembra os problemas da Apple nos Estados Unidos com o FBI. A grande questão, segundo o jornal francês, é saber por quanto tempo o Facebook, que controla o aplicativo, vai aguentar as ações da justiça brasileira.

Problemas antigos

Les Echos lembra que não foi a primeira vez que o aplicativo enfrenta problemas no país. Em dezembro, pelos mesmos motivos, ou seja, uma investigação policial, o WhatsApp já tinha sido suspenso por 48 horas.

Na época, operadoras locais de telecomunicações foram suspeitas de estarem na origem da manobra, que teria como objetivo criar obstáculos para uma concorrência que consideravam desleal. O caso ainda se tornou mais espetacular com a prisão, em São Paulo, do vice-presidente do Facebook para a América Latina, Diego Dzodan, lembra o texto.

Mas, desta vez, escreve Les Echos, até a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), considerou que a justiça foi “longe demais”. O presidente da Agência, João Rezende, estimou que a suspensão foi desproporcional e que o bloqueio “não é a solução”.

Outras opções

O jornal francês lembra que a justiça sergipana se baseou na recente lei que definiu o Marco Civil da Internet no Brasil. Mas, segundo advogados, a lei ainda precisa de vários decretos para ser aplicada e por isso deixa brechas para muitas interpretações.

Les Echos diz no Brasil, que abriga 10% dos usuários do WhatsApp, o aplicativo é muito usado pelo setor informal e pelo comércio que depende de serviços de mensagens instantâneas, que rapidamente já superaram o tradicional email. O bloqueio irritou os brasileiros que tiveram que recorrer a outras opções como o aplicativo Telegram, diz o texto.

Mas a justiça aceitou o recurso da empresa e o WhatsApp voltou a funcionar normalmente, conclui a reportagem do Les Echos.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.