Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

“Liberdade do filme Boi Neon conquistou europeus”, diz ator Vinícius de Oliveira

“Liberdade do filme Boi Neon conquistou europeus”, diz ator Vinícius de Oliveira
 
O ator Vinícius Campos de Oliveira. RFI

O ator Vinícius de Oliveira, que ficou mundialmente conhecido ao interpretar, ainda criança, o personagem de Josué, protagonista de “Central do Brasil”, de Walter Salles, ao lado de Fernanda Montenegro, volta a ter visibilidade internacional com “Boi Neon”, dirigido por Gabriel Mascaro. O filme, que tem como pano de fundo o universo da vaquejada no nordeste brasileiro, ganhou vários prêmios internacionais (Mostra de Veneza, Festivais de Toronto e Hamburgo) e se prepara para entrar no circuito comercial na França.

De passagem pela capital francesa, onde apresentou “Boi Neon” no Festival de Cinema Brasileiro de Paris,  o ator comemora a trajetória da produção, que também foi bem recebida pelo público parisiense. “As pessoas pareciam muito emocionadas e felizes ao assistir uma história tão livre, que não tem uma narrativa clássica de cinema, mas que, ao mesmo tempo, te prende e surpreende”, comenta Oliveira, que encarna Júnior, um personagem que destoa no ambiente árido da trama com seus cabelos longos e alisados.

“Boi Neon” conta a história de um peão, interpretado por Juliano Cazarré, que sonha em ser estilista. Levantando problemáticas ligadas à questão de gênero e os clichês vinculados à masculinidade, o filme faz parte da leva de produções de diretores nordestinos que, além de Mascaro, conta com nomes como Kleber Mendonça Filho (“O Som ao Redor”) ou Karim Aïnouz (“O Céu de Suely”).

Para Oliveira, essa nova geração representa “a esperança de um movimento diferente para nosso cinema, com uma criatividade mais elevada, mas que consegue comunicar de uma forma mais ampla com o público”.
 


Sobre o mesmo assunto

  • Cinema Brasileiro

    Filme “Mundo Cão” ganha prêmio de público no Festival de cinema de Paris

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    "Situação no Brasil é uma aberração", desabafa diretor Karim Ainouz

    Saiba mais

  • RFI CONVIDA

    Festival de filmes brasileiros em Paris reflete inquietude de cineastas

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.