Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 15/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 15/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 15/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 15/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

"Situação no Brasil é uma aberração", desabafa diretor Karim Ainouz

 
O cineasta Karim Aïnouz, na sede da Rádio França Internacional. RFI

De passagem por Paris para lançar em DVD o longa "Viajo porque preciso, volto porque te amo", co-dirigido com Marcelo Gomes, o cineasta Karim Ainouz comentou a crise política que o Brasil está vivendo e o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, que o deixa profundamente indignado: "Como um bandido como o Cunha e todos os que estão em volta dele, que na verdade é um bandido provado, existem provas que esse cara é super corrupto, desonesto...Como é que esse grupo está julgando uma pessoa que é presidente, que foi eleita democraticamente e contra a qual não existe nenhuma prova de impeachment?", questiona Ainouz.

"Então, nunca imaginei que estaria passando na minha vida por uma situação tão absurda quanto essa. E fico mais indignado de como isso está sendo representado no mundo afora. Acho que se a gente quer mudar de presidente, que a gente mude daqui a dois anos. As razões do impeachment são absolutamente absurdas", diz o cineasta.

Para Karim Aïnouz, o artista tem um papel importantíssimo em momentos críticos, que é a possibilidade de falar com muita gente: "É muito importante o nosso papel nesse momento, ainda mais quando a mídia mais conservadora é absolutamente parcial. Acho que o artista tem que ter uma posição sempre crítica em relação ao tempo que está vivendo e é muito importante que a gente se coloque, é muito importante que a gente seja muito franco em relação a como estamos lendo o que está acontecendo no Brasil hoje", opina o diretor brasileiro.
 

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.