Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Em Lisboa, Aécio Neves descarta participar de governo de transição

media Aécio exprimiu sua posição em caso de saída de Dilma da presidência. George Gianni/ PSDB

Em declarações a jornalistas em Lisboa, onde participou de um seminário, o senador Aécio Neves garantiu que seu partido apoiaria o novo Executivo liderado pelo atual vice-presidente Michel Temer. No entanto, o ex-presidenciável descartou a hipótese de participar diretamente do governo de transição.

Aécio excluiu o que classificou de uma "participação ativa" de seu partido em um governo de transição em caso de impeachment da presidente Dilma Rousseff . "O PSDB não tem interesse em entrar de carona num governo. Temos um projeto, que quase foi vitorioso na última eleição, e vamos renová-lo para 2018", afirmou em uma entrevista ao jornal português Diário de Notícias, publicada nesta sexta-feira (1°).

O chefe do partido social-democrata, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, se reuniu na semana passada com o vice-presidente Michel Temer, líder do PMDB, que deverá substituir Dilma até as eleições de 2018 se ela for destituída. "Acho que nesse momento, o Brasil está preparado para um governo de notáveis, formado pelas melhores figuras do país", acrescentou Aécio, que estava em Lisboa em um colóquio de direito constitucional que também contou com a presença de outros opositores.

Michel Temer, cujo partido abandonou na terça-feira (29) a coalizão da presidente, "certamente terá dificuldades" de ocupar seu cargo, como prevê a Constituição, embora de qualquer forma poderá conduzir o país "a um futuro diferente", disse Aécio. "O governo de Dilma Rousseff está acabado", já havia afirmado o líder da oposição diante da imprensa durante a semana.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.