Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 24/07 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 27/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/07 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 27/07 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 27/07 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 27/07 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 27/07 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 27/07 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Direitos de domésticas no Brasil chocam burguesia, diz Le Monde

media Jornal Le Monde analisa questão das empregadas domésticas no Brasil. agenciadomestica.com.br

O jornal Le Monde deste sábado (6) traz uma reportagem a respeito das mudanças de costumes no Brasil com a nova legislação que confirma direitos trabalhistas a empregados domésticos. O diário lembra que isso vem causando mal-estar em uma sociedade marcada pelo passado escravagista.

Le Monde começa a análise contando a história tão comum de uma empregada doméstica, vinda do interior do nordeste, que passou décadas trabalhando na casa de uma família em São Paulo, sem projetos de futuro ou vida própria.

A correspondente compara o cenário a uma realidade francesa do século 19, tomando como exemplo Françoise, personagem do escritor Marcel Proust, que se inspirou em sua própria empregada doméstica.

Mas no Brasil do século 21, os direitos adquiridos pelas domésticas – que na maioria dos casos são mulheres, negras e com escolaridade limitada – “chocam a pequena burguesia”, de acordo com Le Monde.

Domésticas são consequência do fim da escravidão

O jornal francês conta que, com o fim da escravidão, em 1888, muitos ex-escravos viraram serviçais. Esse tipo de trabalho não foi levado em conta na Consolidação das Leis Trabalhistas, de 1943. Os avanços reais só vieram nas décadas de 1970 e com a Constituição de 1988. A atividade finalmente se tornou uma profissão apenas com a emenda de 2013 e a lei de 2015.

Citando vários analistas e até o filme “Que Horas Ela Volta?”, de Anna Muylaert, a correspondente francesa decodifica essa relação entre “patrões benfeitores” em relação a empregados “considerados como parte da família”. Segundo a jornalista, essa dinâmica que contradiz a tese do antropólogo Gilberto Freyre de que o racismo seria menor em uma sociedade mestiça.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.