Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Les Echos revela pessimismo com pior recessão no Brasil em 20 anos

media O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, enfrenta a pior recessão em duas décadas no Brasil. REUTERS/Paulo Whitaker

A recessão que se agrava no Brasil ganhou destaque na imprensa francesa nesta quarta-feira (2). O jornal especializado em economia Les Echos ouviu especialistas que revelam uma grande preocupação com o futuro da economia brasileira nos próximos anos. O banco Crédit Suisse, por exemplo, trabalha com um cenário muito pessimista, em que o PIB do Brasil pode despencar até 8% de 2015 a 2017.

Les Echos notou a recepção glacial" que a presidente Dilma Rousseff recebeu ao retornar à Brasília depois de participar da COP 21, em Paris, na segunda-feira (30). A queda de 4,5 do PIB brasileiro no terceiro trimestre, levando-se em conta o ritmo anual da economia, é o pior desempenho econômico do país em 20 anos e revela a dimensão da recessão no país, escreve o jornal francês. "A maior economia da América Latina e a sétima do mundo vai de mal a pior", diz o Les Echos.

O que é mais preocupante, segundo o diário, é que o Brasil se tornou o pior aluno dos países emergentes. A Índia cresce mais de 7% ao ano. A China, mesmo com a desaceleração, atingiu 6,9% de crescimento, e até a Rússia, alvo de sanções econômicas, consegue desempenho melhor do que o Brasil com uma queda do PIB de 4,1%.

Resultados desastrosos

Em entrevista ao jornal, o economista-chefe da corretora de seguros Pactual, André Perfeito, diz que o resultado da economia no Brasil mais parece um "atestado de óbito". Ele se mostra muito preocupado com a queda de 10% do nível de investimentos. A associação das empresas de crédito prevê uma recessão duradoura.

Os resultados são desastrosos mas infelizmente esperados, afirma outro especialista ouvido pelo Les Echos. O consultor Frédéric Donier diz que o cenário é sobretudo reflexo de uma crise de confiança dos agentes econômicos em relação ao governo e à classe política em geral.

Enquanto isso, ressalta Le Echos, os problemas se acumulam na mesa da presidente Dilma Rousseff. Se o Congresso não aceitar rever a meta fiscal, ela pode ser acusada de crime de responsabilidade fiscal. Mas o próprio Congresso
se encontra em estado de ebulição máxima diante do impacto do escândalo envolvendo a Petrobras.

Les Echos cita a prisão do senador petista Delcídio do Amaral e a ameaça do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, de lançar o processo de impeachment, sendo que o próprio Cunha é ameaçado pelo Comitê de Ética da casa. Enfim, um verdadeiro jogo de gato e rato em um ambiente de recessão, conclui Les Echos.

Tragédia em Mariana

Em outra nota sobre o Brasil, Les Echos informa que as autoridades brasileiras vão acionar a justiça para cobrar R$ 20 bilhões de dois grandes grupos mineradores do mundo, a BHP Billiton e a Vale, para financiar a reparação dos danos provocados pelo rompimento das barragens exploradas pela empresa Samarco em Minas Gerais.

O acidente despejou 60 milhões de metros cúbicos de lama e resíduos tóxicos que devastaram uma cidade, além de deixar 13 mortos e  poluir um rio antes de chegar ao oceano Atlântico, relata o Les Echos. "Vamos punir os responsáveis por essa tragédia", prometeu DIlma durante seu discurso na COP 21, lembrou o jornal.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.