Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Equador revoga visto de jornalista franco-brasileira que protestou contra o governo

media Manuela Picq protesta contra o governo no Equador

A jornalista e ativista franco-brasileira Manuela Picq, que se livrou de ser expulsa do Equador após ter sido detida durante protestos violentos contra o governo, viajou forçada na sexta-feira (21) ao Brasil. Segundo ela, o motivo foi a impossibilidade de permanecer legalmente no país.

"É a primeira vez que tenho que deixar um lugar por obrigação", afirmou Picq à imprensa no aeroporto internacional de Quito, antes de embarcar em um avião rumo ao Rio de Janeiro.

A mulher de 38 anos, que está no Equador há 11, anunciou a decisão de deixar o país temporariamente, pois não conseguiu que a justiça reativasse seu visto, que foi revogado.

Visto do Mercosul

Mais cedo, Picq adiantou que voltaria ao Brasil para conseguir um visto do Mercosul, que em teoria lhe permitira voltar ao Equador para se reencontrar com seu companheiro, o líder opositor indígena Carlos Pérez.

"Se nos negarem o visto do Mercosul, entraremos com um processo para que seja reconhecido nosso matrimônio", defendeu Picq, que assegura ter se casado com Pérez  em um ritual ancestral.

Picq foi detida em 13 de agosto quando participava de uma marcha, em Quito, ao lado do companheiro, parte de um protesto contra o presidente Rafael Correa. A manifestação terminou em violentos confrontos, que deixaram dezenas de detidos e feridos, muitos deles policiais.

As autoridades revogaram seu visto e iniciaram um processo para conseguir sua deportação, mas uma juíza negou o pedido de expulsão da jornalista na segunda-feira. O chanceler equatoriano, Ricardo Patiño, justificou a revogação do visto da jornalista.

Atividades políticas

"Picq teve o visto revogado porque estava desenvolvendo atividades políticas e estava no meio de uma atividade de violência e agressão ao patrimônio histórico de Quito", disse Patiño ao canal Ecuavisa.

"Espero poder retornar o mais breve possível para continuar com as atividades profissionais", disse Picq, que, além de colaborar com meios de comunicação internacionais, como o canal Al Jazzera, é professora em uma universidade privada.

A ativista disse à imprensa que resolveu deixar o Equador de comum acordo com seu companheiro, com o desejo de ficar perto da família e para iniciar os trâmites de um visto do Mercosul para trabalhar no Equador.

Indígenas e oposição

Visivelmente emocionado, o líder indígena opositor confessou que a partida de sua companheira implica uma "perda enorme". "Vamos ficar separados por um tempo e vou me afastar para assegurar meu bem-estar físico", disse Picq.

Seu caso foi assumido por um setor dos indígenas e da oposição como uma nova bandeira de luta contra o governo de Correa, ao qual acusam de realizar políticas que buscam retirar dos nativos a gestão da água, da terra e da educação em seus territórios ancestrais.

Os indígenas contrários ao governo rejeitam uma emenda constitucional em trâmite que permitiria a Correa, no poder desde 2007, se candidatar às eleições de 2017.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.