Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

Dilma condena na ONU uso da força para solucionar conflitos

media A presidente Dilma Rousseff discursou nesta quarta-feira, 24, na 69ª Assembleia Geral da ONU. REUTERS/Mike Segar

Como manda a tradição, a presidente do Brasil foi a primeira chefe de Estado a discursar na abertura da 69ª Assembleia Geral da ONU, nesta quarta-feira (24), em Nova York. O discurso durou cerca de 30 minutos. Dilma Rousseff destacou as conquistas sociais e o combate à corrupção no Brasil, além de condenar as intervenções militares para solucionar conflitos. Ontem (23), a presidente já tinha lamentado os ataques aéreos dos Estados Unidos na Síria durante uma coletiva de imprensa.

Em seu discurso na ONU, Dilma afirmou que “o uso da força é incapaz de eliminar as causas profundas dos conflitos". Segundo ela, “isso está claro na persistência da Questão Palestina”. Para a presidente brasileira, “não podemos aceitar que essas manifestações de barbárie recrudesçam, ferindo nossos valores éticos, morais e civilizatórios.”

Como havia anunciado na coletiva de ontem, ela voltou a pedir a reforma do Conselho de Segurança da ONU, uma reivindicação antiga do Brasil. Dilma avalia que o órgão das Nações Unidas tem “encontrado dificuldade em promover a solução pacifica desses conflitos”.

Conquistas sociais

Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, iniciou seu discurso destacando os avanços obtidos em seu governo e de seu antecessor Lula. Ela lembrou as ações efetivas para erradicar a fome e a miséria e promover o emprego e a saúde no país. A presidente também ressaltou “como valor fundamental” o combate à corrupção e citou a criação do Portal Governamental da Transparência. Dilma evitou abordar alguns temas polêmicos, como o escândalo de espionagem pelos órgãos de inteligência americanos que no ano passado dominou seu discurso.

A 69ª Assembleia Geral da ONU começou nesta terça-feira com um pronunciamento do secretário-geral Ban Ki-moon, que lamentou os “ataques sofridos pelos direitos humanos em todo o mundo”. Dilma foi a primeira dos mais de 140 chefes de Estados presentes a discursar. Ela cedeu a tribuna ao presidente dos Estados Unidos. Barack Obama que prometeu "manter a pressão contra os jihadistas do grupo Estado Islâmico”.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.