Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Brasil

França vai ter que esperar para vender Rafale ao Brasil

media Caça Rafale espera há anos fazer parte do plano de renovação dos aviões de combate brasileiros. © Dassault Aviation - V. Almansa

O ministro brasileiro da Defesa anunciou, em entrevista concedida à imprensa norte-americana, que Brasília vai suspender temporariamente a substituição de seus aviões de combate por razões financeiras. A notícia é um balde de água fria para o construtor francês Dassault, que espera há anos uma decisão do Brasil sobre a possível compra de seus caças Rafale.

Em entrevista publicada nessa sexta-feira no Wall Street Journal, o ministro brasileiro da Defesa anunciou a suspensão da substituição dos aviões de combate do país. “O projeto não foi abandonado. Haverá uma decisão na hora certa, mas por enquanto eu prefiro não dar uma data” exata, disse Celso Amorim ao diário econômico.

Segundo o ministro, a decisão é uma conseqüência do contexto financeiro atual. “A situação econômica tomou um rumo menos favorável que previsto e exige prudência”, explicou Amorim ao jornal norte-americano. 

A notícia não deve agradar o construtor francês Dassault Aviation, que tenta há anos vender 36 caças Rafale para o Brasil, em um contrato estimado em cinco bilhões de dólares (cerca de 10 bilhões de reais). O avião de guerra da empresa francesa concorre com os modelos Saab, da sueca Gripen, e o F/A-18 Super Hornet, da norte-americana Boeing, mas Paris foi várias vezes apontada como favorita. Em 2010, durante um encontro entre os então presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Nicolas Sarkozy, o brasileiro se mostrou mais inclinado pelos caças da Dassault, mesmo se os analistas consideram os dois outros concorrentes mais baratos.

“Eu não diria que uma empresa ou outra seja favorita. A questão é saber quando o faremos e, nesse momento, examinaremos novamente as propostas. Há uma necessidade de renovar a frota, mas é preciso responder em função das possibilidades do país”, esclareceu Amorim. A Força Aérea brasileira pede a cada seis meses que os construtores renovem seu interesse pela concorrência, prolongando suas propostas.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.